PT pode comemorar a impunidade, provoca líder do PSDB

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse, em nota, que nesta segunda-feira é dia de "duplo aniversário", pois, além de o PT comemorar 26 anos de existência, o escândalo do envolvimento do ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz em um esquema de corrupção com bicheiros completa hoje dois anos. "Hoje é dia de duplo aniversário: todos os envolvidos no caso Waldomiro Diniz comemoram o segundo ano do escândalo, sem que nenhum deles tenha sofrido a menor punição e o governo Lula se junta à festa dos 26 anos do seu partido - o Partido dos Trabalhadores - podendo comemorar, também, a impunidade."Assinada pelo próprio senador, a nota lembra que, no dia 13 de fevereiro de 2004, a revista Época publicou uma reportagem sobre o primeiro escândalo do governo Lula, mostrando, com fotos, o então assessor do Palácio do Planalto Waldomiro Diniz, "homem de confiança do deputado cassado José Dirceu, então poderoso e ministro-chefe da Casa Civil", negociando propina com o empresário de jogos Carlinhos Cachoeira.A nota lembra que Diniz foi demitido a pedido (dele próprio), e não por ter sido punido. "Passados dois anos, nem ele nem os demais acusados, apesar da prova escancarada em fita de vídeo, respondem a qualquer processo criminal na Justiça", afirma o senador, reclamando de que nem a Polícia Federal, nem a Polícia Civil, nem o Ministério Público tenham entrado, até hoje, com ação contra eles.Mais adiante, a nota diz que, hoje, o PT pode comemorar outras impunidades, porque não foi tomada nenhuma providência por conta das denúncias de caixa 2, montado pelo partido. "Nem o Ministério Público, nem a Polícia Federal, tão diligentes, por exemplo, quando se trata de uma loja de luxo (uma referência à operação de fiscalização da Daslu, cujo nome não cita), tomaram qualquer medida contra o confessado crime eleitoral de caixa 2 do partido", afirma Virgílio.Ele cita nominalmente o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-secretário-geral do partido Sílvio Pereira, como protagonistas do escândalo do caixa 2. "Todos os implicados na rapinagem de dinheiro público, no valerioduto, no mensalão, nessa colossal corrupção sistêmica descoberta no governo Lula e no PT continuam na mais completa impunidade."Ainda na nota, Virgílio cita também o marqueteiro Duda Mendonça, afirmando que, no mesmo dia em que ele foi indiciado pela Polícia Federal por operações em paraísos fiscais, foi noticiado que sua agência fará campanha publicitária da Petrobrás. "O governo Lula premia o indiciado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.