PT pode abrir mão do Conselho de Ética para a base aliada

O PT cogita abrir mão da presidência do Conselho de Ética da Câmara e apoiar a candidatura ao cargo de um deputado do partido da base aliada. Esta é uma das alternativas em estudo por parte da bancada do PT da Câmara, que resiste em apoiar a candidatura de José Eduardo Cardozo (PT-SP) contra Ricardo Izar (PTB-SP), que disputa a reeleição na presidência do Conselho de Ética. Um dos nomes que poderia ter o aval de um grupo de petistas é o do deputado José Carlos Araújo, do PR (ex-PL) da Bahia. "Temos de ter uma candidatura capaz de ganhar no plenário do Conselho de Ética. Se acham que o candidato do PT tem problemas podemos discutir uma alternativa que, eventualmente, pode ser dentro do próprio PT ou em outro partido", disse nesta terça-feira, 27, o deputado Nelson Pellegrino (PT-BA). O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), seria um dos que atuam para que o PT desista da presidência do Conselho. Em conversas com companheiros de partido, Chinaglia argumentou que o PT já tem hoje a presidência da Câmara e, portanto, pode abrir mão do comando do Conselho para um partido da base aliada. Eleição esta semana Os rumores sobre uma eventual desistência do PT cresceram depois que o deputado Odair Cunha (PT-MG) avisou que não vai sequer integrar o Conselho de Ética. "Eu era candidato à presidência do Conselho. Mas agora não sou mais", afirmou Cunha, que garantiu apoiar a candidatura de Cardozo ao cargo. O deputado Jorge Bittar (PT-RJ), outro cotado para presidir o Conselho, assegurou que também não quer o cargo. "Não tenho esse perfil de investigar nem julgar ninguém", resumiu o petista. A bancada do PT na Câmara pretende reunir-se nesta quarta-feira para definir quem será o candidato do partido à presidência do Conselho de Ética. "Vou aguardar a reunião da bancada para saber se existe algum veto ao meu nome", disse Cardozo. A eleição para escolher o futuro presidente do Conselho está marcada para esta quinta-feira, dia 1º. Os nomes dos integrantes do Conselho - 15 titulares e 15 suplentes - terão de ser indicados até a noite desta quarta. Um dos empecilhos à candidatura de José Carlos Araújo é o fato de o PR ter direito a apenas uma vaga no Conselho. Só que pelo regimento uma das 15 vagas de titular do Conselho tem de ser do corregedor da Câmara, que é o deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE). Para ser candidato a presidente do Conselho de Ética, Araújo terá de entrar em uma das vagas destinadas a partidos da base. Uma das hipóteses é o PT vir a abrir mão de uma de suas vagas e indicar Araújo. O nome do deputado do PR enfrenta, no entanto, resistências dentro da bancada do PT. Motivo: Araújo era um dos integrantes do grupo liderado pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.