PT perde eleição se não mudar economia, diz dom Geraldo

O presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, (CNBB) o cardeal-arcebispo de Salvador, dom Geraldo Magella Agnelo, disse, na capital baiana, que se o governo federal não mudar os rumos da administração, fatalmente o PT será derrotado nas eleições deste ano. "Se continuar assim pode ser que aconteça mesmo, que se atribua ao partido (essa situação) e aí é o fim", comentou.As mudanças que d. Geraldo vem defendendo há algum tempo são na política econômica que não resolveu o problema do desemprego e da renda da população mais pobre. Como exemplo dos efeitos negativos da política de altos superavits para o pagamento da dívida externa, ele citou o valor do novo salário-mínimo "Isso não é reajuste, não chegou nem a corrigir inteiramente a inflação e, mesmo que corrigisse, essa inflação começou no ano passado e o novo mínimo já começa a ser corroído pois o custo de vida está aumentando". Indagado se esse aumento pequeno não seria mais uma promessa não cumprida do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente da CNBB preferiu não criticar diretamente o chefe do Executivo. "Não vou dizer que é uma promessa não-cumprida, só espero que o Brasil não esteja sempre premiando o dinheiro, o capital pois no fim é o trabalho humano, o desemprego, o salário baixo que paga todas as dívidas do País, não os bancos".Devido ao cenário de crise, Dom Geraldo disse esperar que o "povo abra os olhos nas eleições?. ?É hora de escolher bem, não só os prefeitos como os vereadores", comentou, lembrado que o voto vale muito e não pode ser vendido. O cardeal admite que o povo brasileiro ainda não conseguiu ser "inteiramente livre" para votar. "Não está livre de imposições, de interesses pessoais. Quantas vezes até a promessa de um sapato é bastante para se votar num candidato?".Ele lembrou que a CNBB vai participar da campanha eleitoral não apoiando determinado candidato, mas orientando os fiéis para que "reflitam" e votem bem. "Queremos que seja respeitada a autoridade daqueles que governam, contudo, defendemos que eles governem com justiça". Dom Geraldo receitou educação de qualidade para o povo ?e, em poucos anos, a história vai ser diferente". Para ele, atualmente, a classe política cultiva muito a ignorância do povo. "Manter a ignorância é um pressuposto de político que não tem interesse (no povo) nem compromissos".D.Geraldo convocou a imprensa para falar sobre a última reunião da CNBB, mas não se furtou a comentar a derrubada da MP que proibiu os bingos. "Não houve um cuidado (da base do governo) para um assunto que era de bem-comum (a proibição dos bingos) permitindo a atuação dos lobistas do Congresso", disse. "Sem falar que nós temos tantos deputados que representam interesses pessoais e de grupos". Perguntado se o Congresso poderia se "redimir" do episódio dos bingos aumentando o salário-mínimo, d. Geraldo, foi irônico: "O Congresso tem capacidade para isso, mas ainda sobra o veto do presidente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.