PT pede para PF apurar PSDB-MG na quebra de sigilo

O PT e a campanha da candidata Dilma Rousseff partiram para o contra-ataque ao candidato José Serra (PSDB) no escândalo da quebra de sigilo fiscal de integrantes da cúpula tucana e de Verônica Serra, filha do presidenciável. O presidente do PT e coordenador da campanha de Dilma, José Eduardo Dutra, pediu formalmente à Polícia Federal (PF) que anexe à investigação as notícias publicadas na imprensa dando conta de que a coleta de informações sobre os tucanos teria partido de Minas Gerais, em reportagens do jornalista Amaury Ribeiro Jr.

DENISE MADUEÑO E GUSTAVO PORTO, Agência Estado

06 de setembro de 2010 | 18h37

Na prática, Dutra solicita à PF que apure se o suposto dossiê com dados sigilosos de tucanos obtidos ilegalmente teria sido resultado de um fogo amigo no PSDB durante o período em que o governador de Minas, Aécio Neves, enfrentava uma disputa interna com Serra em torno da escolha do candidato à Presidência da República da legenda. É o que relata uma das reportagens anexadas pelo PT no pedido.

O dirigente petista negou que esteja fazendo insinuações e acusando indiretamente Aécio Neves de ter interesse e de estar por trás da devassa em dados fiscais de Verônica Serra, do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas Pereira, do economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, de Ricardo Sérgio e Marin Preciado, cunhado de Serra.

"Nós não vamos fazer qualquer acusação ou ilação com relação aos responsáveis pelos fatos dessa natureza", disse Dutra. "Cabe à PF fazer investigação entre um episódio e outro, considerando que há informações de coleta de material jornalístico." Uma das reportagens, publicada na revista Época desta semana, relata que Amaury Jr. trabalhava para o jornal O Estado de Minas, onde foi escalado para fazer investigações sobre pessoas ligadas a Serra.

Interesse

De acordo com a reportagem, o interesse do jornal poderia estar relacionado ao apoio que a empresa deu ao projeto de candidatura presidencial de Aécio, encerrada meses depois. Ainda segundo a reportagem, o jornalista, depois que deixou o jornal, teria manifestado interesse em levar as informações para a campanha de Dilma.

"Todas as matérias dizem respeito às investigações feitas contra pessoas do PSDB", afirmou Dutra. O interesse, segundo o dirigente petista, é verificar as relações da investigação jornalística com a quebra de sigilo fiscal. "Há coleta de informações feita em Minas sobre o PSDB, queremos que investigue que grau de veracidade tem isso e a relação entre os dois casos."

Entre os pedidos, Dutra quer que a PF ouça Amaury Jr. na investigação do vazamento de informações. Além do texto da Época, o PT pediu a inclusão de reportagens publicadas na revista Carta Capital de 21 de junho de 2010 e do jornal Folha de S.Paulo de 5 de junho de 2010.

Antecipação

O PT antecipou de sábado para quinta-feira o comício da candidata Dilma Rousseff, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Ribeirão Preto, no interior paulista. Segundo o partido, a mudança foi motivada pela agenda de Dilma e não pela do presidente. O evento acontecerá às 18 horas na esplanada do Theatro Pedro II, região central da cidade.

O comício é um dos cinco previstos pelo PT para setembro no Estado de São Paulo. A série começou sábado em Guarulhos, na Grande capital paulista. Após Ribeirão Preto, estão previstos comícios em Campinas (dia 18) e São Paulo (dia 25), além de outro ainda sem confirmação na Baixada Santista, no dia 27.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.