PT pede investigação de vídeos divulgados na internet

A campanha da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, entrou ontem com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a coligação O Brasil Pode Mais, do candidato tucano José Serra, questionando a publicação de uma série de vídeos na internet, feitos a pedido da direção nacional do PSDB.

AE, Agência Estado

24 de setembro de 2010 | 09h02

As peças acusam o PT de "não gostar da imprensa" e "atacar seus adversários e a família dos seus adversários". Na ação, os advogados pedem liminar para retirar o vídeo do ar e para que seja impedida a exibição no horário eleitoral gratuito. A coligação solicitou à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público (MP) que investiguem o caso para apurar a autoria e a divulgação dos vídeos.

Dilma falou ontem sobre ataques à sua candidatura. "Não podemos fazer política com ódio. O ódio é que nem droga, vicia. É fácil entrar e é difícil de sair." Ao comentar sobre o conteúdo dos vídeos, a candidata afirmou: "Não iremos, em nenhuma circunstância, baixar o nível nessa campanha. Falo isso com absoluta convicção de que quem baixa o nível, quem utiliza desses expedientes, nem o Brasil nem a história perdoam."

Na ação ao TSE, os advogados da campanha apontam o "alto custo" como evidência de que os vídeos teriam sido produzidos "a mando do candidato José Serra". Outra prova seria a presença da logomarca da coligação de Serra nos filmes. A ação cita, ainda, matéria do jornal O Estado de S. Paulo que antecipou a divulgação dos vídeos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.