PT pede a líder do governo de SP que proponha CPI para cartões

O deputado estadual Ênio Tatto (PT),líder da minoria na Assembléia Legislativa de São Paulo, propôsque o líder do governo na Casa encaminhe um pedido de CPI parainvestigar os gastos com o cartão de débito do governopaulista. Caso o deputado Barros Munhoz (PSDB) se recuse, na semanaque vem, Tatto pretende encaminhar pessoalmente o requerimentoda CPI. "Se ele não fizer o pedido, na terça-feira vou pedir paraele assinar o requerimento da minoria", disse Tatto nestasexta-feira. O deputado explicou que a oposição tem dificuldade emencaminhar um pedido de CPI. São necessárias 32 assinaturasdentre os 94 deputados estaduais, e a oposição só tem 25representantes. "Os saques em dinheiro é o que mais nos preocupa peladificuldade de fiscalização", disse Tatto. Em 2007, primeiro ano do governo José Serra (PSDB), osgastos com cartão de débito chegaram a 108,3 milhões de reais.Deste total, 48,3 milhões foram saques em dinheiro. "Se for comprovado que há malversação do dinheiro públicousado nos cartões de débito, aí eu apoiaria uma CPI", disse olíder do governo. Dados coletados no Sistema de Informações Gerenciais daExecução Orçamentária (Sigeo) pela liderança do PT naAssembléia indicam gastos de cerca de 13 mil reais daSecretaria de Segurança em uma churrascaria em Campos doJordão, cidade de veraneio do Estado, em apenas três dias. Já a secretaria de Economia e Planejamento gastou com ocartão 55 reais no Rei das Mágicas, na capital paulista, no dia28 de novembro do ano passado. O governo paulista se manifestou por meio de notaexplicando o mecanismo de utilização dos cartões, mas semesclarecer o volume de gastos e seus fins. (Edição de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.