Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

PT paulista cobra da direção nacional resposta ‘rápida e contundente’ sobre Delcídio

A resolução do diretório oferece 'apoio integral' à nota divulgada pelo presidente nacional do partido, Rui Falcão, na qual o dirigente diz que a sigla não deve qualquer tipo de solidariedade ao senador

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2015 | 15h40

A comissão executiva do diretório estadual do PT em São Paulo, o maior do partido, aprovou uma resolução política nesta sexta-feira, 27, na qual cobra “rápida e contundente resposta” da direção nacional da legenda em relação ao caso do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso por tentar obstruir a Operação Lava Jato.

Ontem, o diretório estadual do PT do Rio Grande do Sul também divulgou documento no qual pede afastamento imediato do senador das atividades partidárias e solicita à direção nacional do PT abertura de processo de cassação contra Delcídio.

A resolução do PT paulista oferece “apoio integral” à nota divulgada na quarta-feira, 25, pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, na qual o dirigente diz que o partido não deve qualquer tipo de solidariedade a Delcídio já que as acusações das quais o senador é alvo não têm relação com atividades pártidárias.

Ainda ontem o presidente do diretório estadual, Emidio de Souza, disse que, pessoalmente, é favorável à expulsão do senador.

Segundo Francisco Rocha, o Rochinha, coordenador da comissão de ética do PT, um possível processo de expulsão de Delcídio será submetido diretamente à executiva nacional, por se tratar de um senador. “Se alguém representar formalmente ele terá direito de defesa e, se condenado, pode recorrer ao diretório nacional e ao encontro nacional”, disse Rochinha.

Leia a íntegra da nota do PT-SP:

"A Comissão Executiva Estadual do PT/SP tendo em vista a gravidade dos fatos envolvendo Senador Delcídio do Amaral torna pública os  seguintes posicionamentos.

1-apoio integral a posição manifestada pelo presidente nacional Rui Falcão em nota oficial.

2- o comportamento do Senador no presente caso, não guarda qualquer relação com atividade política, parlamentar ou partidária.

3- O PT repudia veementemente qualquer tentativa de obstrução do trabalho da Justiça por qualquer pessoa incluindo seu afiliados e detentores de mandatos.

4- O PT não compactua com práticas ilegais e está desobrigado a apoiar, referendar, defender qualquer de seus filiados por atividades que nada tenham a ver com a atividade política.

5- Todas as investigações sobre este e outros casos devem ser feitas em estrita obediência ao Estado Democrático de Direito assegurados a ampla defesa e o contraditório.

- O PT deve através de sua Direção Nacional e respeitados os ritos regimentais ,oferecer rápida e contundente resposta ao eventual desvio de conduta apontado neste caso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.