Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PT não tem que comentar prisão de Vargas, diz líder do partido na Camara

Ex-deputado deixou o partido após vir à tona seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, ainda no ano passado

NIVALDO SOUZA, O Estado de S. Paulo

10 Abril 2015 | 13h21

Brasília - A prisão do ex-deputado federal André Vargas (sem partido-PR) não deve mobilizar o PT, antiga legenda do ex-parlamentar, preso nesta sexta-feira, 10, na 11ª etapa da Operação Lava Jato denominada "A Origem". A cúpula petista, conforme apurou o Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, deve manter silêncio sob o argumento de que Vargas "não é mais filiado ao partido".

No ano passado, o PT pressionou Vargas para renunciar ao mandato de deputado em meio à denúncia de que era ligado ao doleiro Alberto Youssef. O então deputado resistiu à pressão do partido. Vargas acabou se desfiliando do PT para tentar manter o mandato na Câmara dos Deputados, que cassou seus direitos políticos no apagar das luzes de 2014.

O líder petista na Câmara, Sibá Machado (AC), disse que o partido não tem que comentar a prisão de Vargas e avaliou que o "desgaste" na imagem já ocorreu durante o processo de cassação do ex-deputado, após a relação dele com Youssef vir à tona. "Esse desgaste já foi feito e não há mais o que falar sobre isso", disse.

Ao ser questionado sobre a acusação de que Vargas e Youssef usaram empresas de publicidade falsas para fechar contratos com a Caixa Econômica Federal e o Ministério da Saúde -, como parte do esquema de propina para políticos investigados pela Lava Jato -, Machado disse que vai aguardar o envio de documentos oficiais à CPI da Petrobrás para analisá-los.

O líder do PT avalia que a ligação do partido a desvios por meio de contratos oficiais em órgãos públicos - além da Petrobrás, da Caixa e da Saúde - já foi um expediente "tentado" no caso do laboratório Labogen em 2014 e não houve comprovação.

À época, Youssef foi apontado como sócio da empresa, que teria firmado contrato com o Ministério da Saúde por intermédio de Vargas. "Isso já foi falado no caso da Labogen tentando chegar ao (Alexandre) Padilha (ex-ministro da Saúde), que se defendeu", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.