PT não será obstáculo à reforma ministerial, garante Genoino

O presidente nacional do PT, José Genoino, assegurou hoje que o partido não será empecilho para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realize a reforma ministerial, já em curso. "O PT tem que colaborar para a consolidação da base, melhorando a relação entre os partidos e, se for o caso, até ceder espaço do PT para os aliados", afirmou.José Genoino ressaltou que a reforma ministerial não representa uma mudança no rumo do governo. "Nosso governo é de coalizão e vamos consolidar isso." Sem citar nomes, o presidente do PT criticou os integrantes do partido que têm atacado a mudança no redesenho da força política do governo. "Não aceitamos que algumas personalidades do partido façam uma luta política de forma estridente", comentou.O presidente do PT disse, ainda, que seu partido vai defender junto às demais legendas que integram a base de apoio o espírito de contribuição com o governo. Sobre o PP, que almeja participação efetiva no governo, Genoino afirmou que a decisão cabe ao próprio presidente Lula. "O PT não será obstáculo para o presidente Lula fazer os remanejamentos e consolidar a coalizão de sua base", reafirmou.O petista rebateu as críticas de que o governo Lula é de centro-direita. "O governo tem uma clara direção. A saída de um ou outro assessor não significa mudança de rumo." Já o ministro das Cidades, Olívio Dutra, afirmou que é importante o governo Lula fortalecer sua relação com o PMDB. "O PMDB é um partido importante da base, principalmente para fortalecer o governo no Congresso Nacional."O líder do governo na Câmara, professor Luizinho, também defendeu uma participação maior do PMDB no governo federal. "É importante para nós, para o Brasil e para o PMDB que ele esteja conosco para garantir a governabilidade." O líder do governo na Câmara afirmou, ainda, que o PT pretende ampliar suas relações com o PP. "Estamos aprofundando o diálogo com o PP para uma eventual participação desse partido no ministério."O parlamentar ressaltou que a aproximação com esses partidos é fundamental para que o governo ganhe espaço tanto na Câmara quanto no Senado. "Isso daria uma sustentabilidade e segurança maior na nossa." As afirmações foram feitas na sede do PT, na Capital, onde o Diretório Nacional, composto por 83 membros, se reúne neste final de semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.