PT não cumpre acordo e MST ameaça reocupar sede o partido

O núcleo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) da cidade de Itabuna, no sul da Bahia pode voltar a ocupar a sede do Partido dos Trabalhadores (PT) nesta quarta-feira caso a direção municipal não cumpra o acordo fechado no final de semana de incluir o militante Elias Jacob Mattar Neto na lista dos candidatos a vereador da legenda.Até a tarde de hoje o escritório do MST de Itabuna não havia sido comunicado se a substituição de um dos candidatos inscritos pelo de Mattar Neto já havia sido efetivada, o que deixou os sem-terra inquietos. "Nós retiramos as famílias que ocuparam a sede do partido na semana passada, lemos no jornal que o acordo seria cumprido, mas nada ocorreu até agora", informou Evanildo Costa coordenador do MST na região. Ele disse que dará um prazo até amanhã para o PT providenciar a inclusão de Mattar Neto na lista de candidatos e marcou uma assembléia para quarta-feira com o objetivo de decidir o que fazer no caso dos petistas não cumprirem o acordo. "Podemos voltar a ocupar o partido ou até a sede da prefeitura", revelou. A prefeitura de Itabuna é governada pelo petista Geraldo Simões compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e candidato a reeleição. Escolhido para ser o representante do MST na Câmara de Vereadores de Itabuna, Mattar Neto teve seu nome aprovado pela convenção do partido e inscrito na Justiça Eleitoral. Contudo, com a redução no número de candidatos à eleição das câmaras municipais determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral, seu nome foi cortado pelo PT de Itabuna, o que provocou a ocupação da sede do partido na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.