Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PT marca protesto contra prisão de Lula na data do centenário de Nelson Mandela

Dia 18 de julho foi escolhido sob medida para a estratégia de tentar defender a tese que o petista é ‘preso político’

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2018 | 21h52

BRASÍLIA - A cúpula do PT está organizando um ato de protesto em Curitiba, no próximo dia 18, para marcar os 100 dias de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato ao Palácio do Planalto. Após a frustrada tentativa de tirar Lula da cadeia, que escancarou a divisão no Judiciário, a ordem do comando petista é para que os manifestantes associem a data do protesto ao aniversário do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela.

Morto em 2013, o líder da luta antiapartheid faria 100 anos em 18 de julho. Na prática, porém, os 100 dias de Lula no cárcere serão completados um pouco antes, no próximo dia 15.

 

O ex-presidente lidera as pesquisas de intenção de voto e já comparou sua situação à de Mandela. Em 24 de janeiro, por exemplo, horas depois do julgamento do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) que ampliou sua pena para 12 anos e 1 mês de prisão, Lula fez um discurso inflamado, na Praça da República, no centro de São Paulo, dizendo que voltaria ao Palácio do Planalto.

+ 'Eu nem sairia de Curitiba', diz Lula a advogado

“Prenderam o Mandela. Ele ficou preso por 27 anos, mas nem por isso a luta diminuiu. Ele voltou e foi eleito presidente”, declarou Lula na ocasião. “Eu tenho que avisar a elite brasileira: esperem, porque nós vamos voltar.”

O PT vai insistir no argumento de que Lula é “preso político”, como foi Mandela, que após deixar a prisão governou a África do Sul de 1994 a 1999. 

Dirigentes do partido preparam manifestações em todo o País. O principal protesto contra a permanência do ex-presidente na cadeia será realizado em Curitiba, onde ele cumpre pena desde 7 de abril.

O calendário de mobilização, aprovado nesta segunda-feira, 9, pela cúpula do PT, no entanto, prevê uma série de atividades até 15 de agosto, quando a sigla pretende registrar a candidatura de Lula - embora tudo indique que sua entrada no páreo será barrada pela Lei da Ficha Limpa.

Para o dia da inscrição de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os petistas programaram um “grande ato”, em Brasília.

Na sexta-feira, militantes do PT planejam se concentrar diante do TRF-4, em Porto Alegre, em mais uma tentativa de chamar a atenção para a prisão do ex-presidente. O ato foi batizado como "Dia Nacional de Luta por #LulaLivre" e deverá ocorrer também em outras capitais.

A estratégia do PT consiste em acumular força para chegar à eleição com a narrativa da perseguição contra Lula. A avaliação do partido é a de que, se ele não puder ser candidato, terá grande poder de transferência de votos como cabo eleitoral. Embora o discurso oficial do PT seja que não existe “plano B” para substituir Lula, o mais cotado para ser o seu herdeiro na chapa é o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.