PT mantém veto à aliança com PSDB em BH, mas deixa brecha

Na prática, PT vetou dobradinha, mas não pode impedir apoio informal de Aécio a chapa com petista de vice

Vera Rosa, de O Estado de S. Paulo,

30 de maio de 2008 | 15h47

Sem usar o verbo "vetar", o Diretório Nacional do PT proibiu hoje a coligação com o PSDB na campanha eleitoral para a Prefeitura de Belo Horizonte (MG), mas abriu brecha para o apoio informal dos tucanos à chapa, como antecipou o jornal O Estado de S. Paulo na edição desta sexta-feira, 30. A resolução aprovada foi resultado de um acordo político da cúpula do PT com o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), para resolver o impasse. Num jogo de palavras mais ameno, o PT trocou o verbo "vetar" por "recomendar". Diz a resolução: "O Diretório Nacional resolve recomendar que o Diretório Municipal do PT de Belo Horizonte volte a discutir e deliberar sobre a política de alianças aprovada, afastando a possibilidade de coligação com o PSDB e o PPS." Na prática, o PT vetou a dobradinha, mas não poderá impedir que o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), apóie informalmente a chapa, que será encabeçada por Márcio Lacerda, do PSB, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do governo Aécio. O candidato a vice na chapa de Lacerda é o deputado estadual Roberto Carvalho, do PT. Após a decisão, que contou com apenas duas abstenções, o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), evitou falar em aliança informal. Questionado se o PT recusaria o apoio dos tucanos, ele desconversou: "Esse é um assunto para o Diretório do PT de Belo Horizonte acompanhar." Berzoini admitiu que o PT sai desgastado do episódio. "Seria hipocrisia avaliar que não há processo de desgaste. O processo não foi bom par ao PT, mas foi pedagógico", afirmou.  Leia a íntegra da decisão:  Resolução do Diretório Nacional do PT sobre alianças em Belo Horizonte  Considerando o conteúdo político das resoluções sobre política de alianças nas eleições de 2008, aprovadas pelo Diretório Nacional do PT em suas reuniões de 9 de fevereiro de 2008 e 24 de março de 2008;  Considerando as resoluções aprovadas pela Comissão Executiva Nacional do PT nas reuniões realizadas em 24 de abril de 2008, 28 de abril de 2008 e 26 de maio de 2008, acerca das solicitações de alianças com partidos de fora da base de apoio do governo federal;  Considerando a retirada do recurso interposto à decisão da CEN que diz respeito à aliança com o PSDB em Belo Horizonte;  O Diretório Nacional do PT resolve:  1. Recomendar que O Diretório Municipal do PT de Belo Horizonte volte a discutir e deliberar sobre a política de alianças aprovada, afastando a possibilidade de coligação com PSDB e PPS.  2. Delegar expressamente à CEN, com os poderes legais e estatutários cabíveis, voltar a discutir e deliberar sobre as alianças em Belo Horizonte, caso necessário, dentro das diretrizes firmadas nas resoluções do Diretório Nacional de 9 de fevereiro de 2008 e 24 de março de 2008.  Diretório Nacional do PT 30 de maio de 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.