PT lidera lista de candidato-servidor

Levantamento do ?Estado? mostra que, de cada cem candidatos da legenda, um era funcionário federal

Sônia Filgueiras, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

Dos 2,5 mil servidores públicos federais que se candidataram a cargos eletivos (prefeito, vice e vereador) neste ano, 378 estavam filiados ao PT, partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chefe do Executivo Federal. O partido liderou o ranking dos candidatos-servidores, embora tenha figurado em segundo lugar no total de candidatos lançados, 35,1 mil. O levantamento foi feito pelo Estado, baseado nos dados mais recentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O PMDB, que lançou 43,5 mil candidatos, ficou em segundo lugar na lista dos candidatos-servidores, com 231, seguido do PSDB, com 183 servidores e 33,9 mil candidatos no total. De cada cem candidatos petistas, pelo menos um era funcionário público federal. Junto com o PT, outros dois partidos mostram elevada frequência de candidatos ligados à administração central: PSOL e PC do B. No caso do PSOL, a relação é a mais elevada: para cada cem candidatos, quase dois eram funcionários federais. Ao todo, 60 servidores federais apresentaram candidatura pelo partido, que nasceu de uma dissidência do PT. E para o PC do B, que lançou 79 servidores federais a candidaturas variadas, entre 7.979 concorrentes, a relação é de um para cada cem. No caso do PMDB, DEM, PP e PSDB, a relação entre candidatos lançados e funcionários públicos cai aproximadamente à metade em comparação ao PT e ao PC do B.A polêmica em torno da politização da burocracia foi recentemente retomada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que, ao criticar declarações do delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, que comandou a Operação Satiagraha, declarou que o servidor deve ser "apartidário". Salvo exceções específicas, a Constituição garante a qualquer brasileiro, funcionário público ou não, o direito de votar e ser votado.Os números sugerem, porém, que a máquina pública é historicamente um relevante berço de candidaturas para alguns partidos. Após lembrar a longa relação do PT com organizações sindicais, em especial as de funcionários públicos, o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), adverte: "A participação é legítima e desejável, mas temos que ficar atentos a eventuais aparelhamentos e discriminações na gestão pública." No cenário estadual, há tendência de aproximação com os números das eleições. O PMDB assume a dianteira, com 932 candidatos-servidores, o PT cai para segundo, com 795, seguido pelo PSDB, com 743.Na contabilidade das candidaturas de funcionários públicos municipais, o PMDB se apresenta como o primeiro colocado, com 3.093 concorrentes, seguido do PSDB, com 2.608, do DEM, com 2.096, e do PT, com 1.942.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.