PT leva ao ar gravações de Dilma em São Paulo e BH

A presidente Dilma Rousseff apareceu nesta segunda-feira, pela primeira vez, no horário eleitoral na TV do candidato petista à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. Ela também estreou na campanha televisiva de Patrus Ananias (PT), na capital mineira.

ISADORA PERON E MARCELO PORTELA, Agência Estado

11 de setembro de 2012 | 09h05

Em um programa no qual Haddad falou sobre educação infantil, Dilma reforçou a necessidade de Prefeitura e governo federal trabalharem em parceria. "Juntos, podemos consolidar projetos fundamentais do governo federal, como o Proinfância, construindo muitas creches", disse a presidente.

Segundo Dilma, "Haddad é a pessoa certa para comandar a grande transformação de que São Paulo precisa".

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que até então havia participado de todos os programas de Haddad na TV, não apareceu ontem no horário eleitoral.

No rádio, começam a ser veiculadas nesta terça-feira propagandas em que a presidente elogia o petista: "Haddad tem projetos, tem apoios, sabe fazer e gosta de trabalhar. É um político sério e honesto".

Na mesma gravação, Dilma defende a "experiência" de Haddad, que foi ministro da Educação tanto em seu governo quanto no de Lula. "É jovem e ao mesmo tempo experiente e testado na administração pública", diz.

Em Belo Horizonte, Dilma reforçou a tática da campanha petista de atribuir a Patrus - ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - o título de "Pai do Bolsa Família".

Ela declarou que ficaria "alegre" com o ex-colega da Esplanada dos Ministérios no comando da cidade onde nasceu: "Como belo-horizontina, sentiria muito alegria em tê-lo como prefeito. Como presidente, teria toda a tranquilidade de ter um grande parceiro ao meu lado, trabalhando por nossa querida cidade". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPBHDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.