PT leva ao ar gravações de Dilma em horário eleitoral de Haddad

Presidente antecipa entrada na campanha para tentar reduzir liderança de Russomanno em redutos petistas; em BH, Patrus também exibe mensagem

Isadora Peron e Marcelo Portela, de O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2012 | 03h06

A presidente Dilma Rousseff apareceu nessa segunda-feira, 10, pela primeira vez, no horário eleitoral na TV do candidato petista à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. Ela também estreou na campanha televisiva de Patrus Ananias (PT), na capital mineira.

Em um programa no qual Haddad falou sobre educação infantil, Dilma reforçou a necessidade de Prefeitura e governo federal trabalharem em parceria. "Juntos, podemos consolidar projetos fundamentais do governo federal, como o Proinfância, construindo muitas creches", disse a presidente.

Segundo Dilma, "Haddad é a pessoa certa para comandar a grande transformação de que São Paulo precisa".

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que até então havia participado de todos os programas de Haddad na TV, não apareceu nessa segunda no horário eleitoral.

No rádio, começam a ser veiculadas hoje propagandas em que a presidente elogia o petista: "Haddad tem projetos, tem apoios, sabe fazer e gosta de trabalhar. É um político sério e honesto".

Na mesma gravação, Dilma defende a "experiência" de Haddad, que foi ministro da Educação tanto em seu governo quanto no de Lula. "É jovem e ao mesmo tempo experiente e testado na administração pública", diz.

O plano inicial de Dilma era se manter neutra no primeiro turno das eleições municipais para não criar problemas com candidatos de partidos de sua base aliada no Congresso. Na semana passada, no entanto, a presidente decidiu vir a São Paulo para gravar mensagens de apoio para Haddad e Patrus.

A antecipação da entrada de Dilma na campanha em São Paulo ocorre no momento em que Haddad vem perdendo votos na periferia para Celso Russomanno (PRB), líder das pesquisas. Na capital mineira, Patrus está em segundo lugar na disputa.

Minas. Em Belo Horizonte, Dilma reforçou a tática da campanha petista de atribuir a Patrus - ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - o título de "Pai do Bolsa Família".

Ela declarou que ficaria "alegre" com o ex-colega da Esplanada dos Ministérios no comando da cidade onde nasceu: "Como belo-horizontina, sentiria muito alegria em tê-lo como prefeito. Como presidente, teria toda a tranquilidade de ter um grande parceiro ao meu lado, trabalhando por nossa querida cidade".

Dilma atuou pessoalmente a favor da candidatura de Patrus após o rompimento do PT com o prefeito Marcio Lacerda (PSB). O socialista, porém, tem gravada uma declaração da presidente, antes do fim da aliança, dizendo que o considera "o melhor prefeito do País". A Justiça Eleitoral negou liminar à campanha petista para impedir que o material seja usado pelo adversário, que é apoiado pelo PSDB. A direção da candidatura de Lacerda afirmou que, "em último caso", pode colocar a inserção no ar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.