PT lança Chinaglia e pode ´rachar´ coalizão na Câmara

O primeiro teste da nova coalizão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva está ameaçado pelo fracasso. A bancada do PT na Câmara aprovou nesta terça-feira, por aclamação, o nome do atual líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), como seu candidato para concorrer à presidência da Casa. A decisão contraria a vontade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que apostava no apoio do PT à reeleição de Aldo Rebelo (PCdoB). Para evitar que a divisão resulte em derrota na eleição no dia 1º de fevereiro, o PT vai buscar apoio nas outras bancadas. "Vamos trabalhar para ter uma única candidatura", afirmou Chinaglia. "Decidimos apresentar o nome de Arlindo para o diálogo e para a negociação que construa uma candidatura", afirmou o líder do PT, deputado Henrique Fontana (RS). "Não há hipótese de a coalizão ter dois candidatos, senão ela já começará capenga", resumiu o deputado Odair Cunha (PT-MG). Chinaglia já tem conversado com o PMDB e com Rebelo sobre sua candidatura. Apesar de ressaltar que o diálogo está aberto com a base, o presidente interino do PT, Marco Aurélio Garcia, defendeu o lançamento do candidato petista. "O nome (Chinaglia) não é para dar uma passeada na pista e cumprimentar a platéia. É para valer", disse Garcia. O PMDB, principal integrante da nova coalizão lulista, também já anunciou que terá candidato próprio. O partido decidirá brevemente entre os dois candidatos já lançados, os deputados Eunício de Oliveira (CE), antigo aliado que já foi ministro das Comunicações de Lula, e Geddel Vieira Lima (BA), antigo aliado do governo Fernando Henrique Cardoso que agora se tornou novo aliado de Lula e do PT. Se um deles for escolhido sem brigas internas, conseguindo unir a bancada peemedebista, a mais numerosa da nova Câmara, o PMDB terá um forte candidato. A tradição da Câmara dos Deputados sempre indicou que o partido que elegesse a bancada mais numerosa ficava automaticamente com a presidência da Casa. Sucessivas disputas mudaram essa tradição, até que, na segunda metade do governo Lula um candidato do baixo clero, Severino Cavalcanti, conseguiu comandar a Câmara até se envolver num escândalo. Aldo Rebelo Além deles, o atual presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) já se declarou candidato a permanecer no cargo, o que é legalmente permitido, já que haverá mudança de legislatura. Se Aldo fosse candidato único, o grupo governista não teria problemas, já que praticamente todos os partidos o apoiariam e ele seria, praticamente, eleito por aclamação. Mas essa hipótese tranqüila, aparentemente, não comove os governistas. Fontana disse que deseja dialogar inclusive com a oposição. Apesar de Chinaglia ter sido escolhido por aclamação, alguns deputados reclamaram porque o lançamento do petista foi decidido em reunião da Executiva do PT com a coordenação da bancada e foi trazida à bancada como fato consumado. Chinaglia disse que, por enquanto, não pretende se afastar da liderança do governo. "Se o presidente Lula avaliar que é conveniente meu afastamento, isso será feito", afirmou. Tanto Chinaglia quanto Fontana ressaltaram que a base aliada deve ter um candidato único na eleição que será realizada no dia 1º de fevereiro. O líder do PT disse que teve uma conversa "leal" com o presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) - que mantém a sua candidatura - e se declarou otimista quanto à construção da sua própria candidatura. Colaborou Christiane Samarco

Agencia Estado,

05 Dezembro 2006 | 20h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.