Reprodução
Reprodução

PT lança ‘cartilha’ em defesa de Lula em quatro idiomas

Em documento, legenda diz haver ‘caçada judicial’ contra petista e que ‘nada’ liga ex-presidente a desvios na Petrobrás

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2016 | 23h36

O PT lançou um documento em quatro idiomas (português, inglês, espanhol e francês) defendendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva das acusações contra ele na Justiça brasileira e afirmando que há uma “caçada judicial” do político no País. 

O documento reproduz o conteúdo de uma postagem divulgada pelo Instituto Lula no dia 20 de julho em seu site.

Segundo a assessoria de imprensa do PT, o partido bancou a impressão de 5 mil exemplares do documento, que tem oito páginas, para ser enviado a alguns veículos de imprensa e a parlamentares. A assessoria não informou os destinatários do que chama de “cartilha”. A íntegra também está na página do PT na internet.

A publicação faz acusações às investigações do Ministério Público e Polícia Federal e reitera que não foi encontrado “rigorosamente nada capaz de associar Lula aos desvios na Petrobrás, investigados na Operação Lava Jato, ou a qualquer outra ilegalidade”. Logo na abertura, o texto diz que adversários promovem um julgamento pela mídia, “na mais violenta difamação contra um homem público em toda a história do País”.

Segundo o texto, foram violados os direitos à presunção da inocência, ao sigilo das comunicações telefônicas, à preservação de dados pessoais, ao direito de resposta, ao exercício de função pública e até “o direito de ir e vir”, em referência à condução coercitiva de Lula no dia 4 de março.

A publicação cita o ministro Gilmar Mendes, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o juiz Sérgio Moro. “Agentes partidarizados do Estado, no Ministério Público, na Polícia Federal e no Poder Judiciário mobilizaram-se com o objetivo de encontrar um crime – qualquer um – para acusar Lula e levá-lo aos tribunais.”

Tudo o que sabemos sobre:
CartilhaPTLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.