PT já decidiu pelo menos seis nomes para Comissão especial do impeachment

Carlos Zarattini (SP), Wadih Damous (RJ), Paulo Teixeira (SP), Paulo Pimenta (RS), Arlindo Chinaglia (SP) e Sibá Machado (AC), líder da sigla na Câmara serão indicados

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2015 | 21h05

BRASÍLIA - O PT já escolheu pelo menos seis dos oito deputados que tem direito a indicar para a comissão especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara. Segundo apurou o Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o partido indicará Carlos Zarattini (SP), Wadih Damous (RJ), Paulo Teixeira (SP), Paulo Pimenta (RS), Arlindo Chinaglia (SP) e Sibá Machado (AC), líder da sigla na Casa.

Os petistas indicados para atuar na defesa da presidente Dilma Rousseff estão sendo escolhidos por terem mais "experiência" e "capacidade de argumentação". Ao lado do PMDB, o PT terá a maior quantidade de membros no colegiado. Os dois partidos terão cada um oito de um total de 65 integrantes. A lista completa com todos os membros deve ser divulgada pela legenda na próxima segunda-feira, informou Sibá Machado mais cedo.

Outras indicações. Diversos partidos, contudo, já anunciaram seus membros. O PC do B indicará a líder do partido na Câmara, deputada Jandira Feghali (RJ). O PSOL, por sua vez, indicará Ivan Valente (SP). Da oposição, O PPS indicará o deputado Alex Manente (SP). Já o Solidariedade (SD) indicará os parlamentares Arthur Maia (BA) e Paulinho da Força (SP), aliados bastante próximos do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O PSDB, por sua vez, anunciou apenas dois dos seis representantes a que terá direito: o líder na Câmara, Carlos Sampaio (SP), e o líder da minoria, Bruno Araújo (PE). Os outros quatro integrantes só deverão ser anunciados até segunda-feira pela manhã. Outros partidos como DEM, PSB, PMDB e PSD também só devem anunciar oficialmente seus indicados na segunda-feira.

O PSB deverá indicar os deputados Fernando Bezerra Filho (PE) e Luiza Erundina (SP) para duas das quatro vagas que terá direito na comissão especial que dará parecer sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara. O parlamentar pernambucano é o líder do partido na Casa. Os outros dois membros só devem ser anunciados na próxima segunda-feira, antes das 14 horas, prazo final estabelecido pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A bancada do partido deverá se reunir no início da manhã para decidir quem serão esses dois indicados. 

À frente do Ministério das Comunicações, o PDT deverá indicar os deputados Afonso Motta (RS) e Dagoberto (MS) para as duas vagas a que terá direito, segundo apurou o Broadcast Político. O partido só fará o anúncio oficial na segunda-feira, horas antes do prazo final.

O prazo para as indicações foi estabelecido por Cunha durante reunião com líderes partidários no início da tarde. Os membros serão eleitos em sessão extraordinária convocada pelo peemedebista para 18 horas de segunda. No dia seguinte, a comissão especial deverá ser instalada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.