PT irá se reunir com Lula para defender espaço no Ministério

O Conselho Político do PT reúne-se na quarta-feira com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para insistir novamente na defesa dos espaços que o partido tem na Esplanada dos Ministérios. "Vamos conversar com o presidente sobre a manutenção do espaço do PT no primeiro escalão e também sobre a execução do programa de governo", disse a vice-presidente do PT, deputada Maria do Rosário (RS), que integra o Conselho Político. A preocupação do PT com a garantia do espaço do partido no Ministério tem por base as declarações do próprio presidente. Lula tem afirmado que no segundo mandato os petistas ocuparão as vagas proporcionalmente ao tamanho do partido. Isso tem deixado a cúpula do PT preocupada, porque se for adotado mesmo esse critério, o PMDB, que elegeu 89 deputados, ficaria com mais cadeiras no Ministério, visto que os petistas terão 83 a partir do ano que vem. Como o presidente Lula só pretende montar o novo Ministério depois de fevereiro, quando serão eleitas as Mesas da Câmara e do Senado, o Conselho Político do PT tem esperanças de que a situação seja revertida. "Entendemos a posição do presidente. Ele quer aguardar o ano que vem para definir sua equipe. Nós não vamos esperar", disse Maria do Rosário. Do Conselho Político do PT participam, além de Maria do Rosário, o presidente interino, Marco Aurélio Garcia, o deputado federal eleito Jilmar Tatto (SP), o deputado estadual Renato Simões (SP), e os dirigentes Valter Pomar e Paulo Ferreira. Em todos os encontros, eles costumam lembrar ao presidente da República que o partido aprovou uma resolução em que condena a ´despetização´ da Esplanada. A mesma resolução defende a formação de um núcleo político de esquerda com o PSB e o PC do B para atuar no governo de coalizão proposto por Lula. Na prática, significa que o PT pretende disputar a hegemonia da coalizão com o PMDB e não aceita ser tratado como um parceiro menor. Por coincidência, o PMDB também marcou reunião para quarta com o presidente Lula. Mas os problemas ocorridos nos aeroportos ameaçavam cancelá-la. Nos encontros com Lula, os dirigentes do PT costumam utilizar um eufemismo que consta também da resolução do partido. Em vez de confronto com o Palácio do Planalto, afirmam que desejam contribuir decisivamente com o segundo mandato de Lula, além de compartilhar responsabilidades. Com esses argumentos, os dirigentes do partido buscam convencer o presidente a manter os ministérios que os petistas dominam, como os da área econômica, além do Ministério da Educação e do Desenvolvimento Social. Têm ainda o olho gordo em cima do Ministério das Cidades, hoje entregue ao PP e o desejam para abrigar a ex-prefeita Marta Suplicy. Em novembro, logo depois de vencer a eleição, Lula aproveitou uma cerimônia da qual participavam professores, para lembrar que o PT terá mesmo espaço menor. E que ele, por ser petista, já assegura ao partido a principal representação: "O PT já tem o cargo mais importante do governo, que é o de presidente da República", disse Lula na ocasião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.