PT irá apoiar manifestações anti-Bush em São Paulo

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe o colega George W. Bush e deve assinar acordos de parceria comercial, o site do PT, partido do presidente, traz textos com críticas e ataques à conduta do norte-americano. Na capa do portal, o link "Confira o especial sobre a visita de Bush" leva à página interna sobre o tema. Uma entrevista com Valter Pomar, secretário de Relações Internacionais do partido, tem o título "Que Bush não conte com o Brasil para ações imperialistas na região", referindo-se à América Latina. "Bush, persona non grata" é a chamada para o artigo de João Felício, secretário de Relações Internacionais da Central Única dos Trabalhadores (CUT), e "George Bush, o chefão do terrorismo internacional" introduz o texto de Argemiro Borges, membro do comitê central do PCdoB. O aspecto bélico do governo Bush é um dos focos do artigo de Pomar. "Os Estados Unidos em geral e o governo Bush em particular são de uma violência brutal. Nós só estaremos livres desta ameaça quando o povo norte-americano constituir um governo de esquerda e abrir um novo período na história daquele país." O partido já deixou claro que vai apoiar as manifestações anti-Bush que serão realizadas em São Paulo, única cidade que o presidente norte-americano visitará no Brasil, na próxima quinta e sexta. Os organizadores (CUT, Central de Movimentos Sociais, União Nacional dos Estudantes e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, entre outros) prevêem levar 10 mil pessoas à Avenida Paulista na quinta-feira. A guerra do Iraque e o relacionamento dos EUA com Cuba são os alvos da manifestação. "O governo pode e deve receber o presidente Bush. Nosso partido pode e deve participar das mobilizações sociais contra o governo Bush", explica Pomar no site. Um assessor do PT explicou que a idéia é abrir espaço para opiniões sobre a visita de Bush. "Um espaço democrático, vindo de todas as direções."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.