PT homologa chapa com PSB em Belo Horizonte

O diretório municipal do PT emBelo Horizonte homologou, em convenção realizada neste sábado,a chapa para concorrer à prefeitura da capital mineira,encabeçada pelo empresário Márcio Lacerda (PSB) e com odeputado estadual Roberto Carvalho (PT) como vice. A aprovaçãoda chapa teve 32 votos favoráveis, contra nove que se opuseramàs candidaturas. Na mesma reunião, o diretório também aprovou moção a serencaminhada ao diretório nacional da legenda, informando que ospetistas mineiros acatam a decisão do partido de não permitiraliança com o PSDB e o PPS na cidade, mas também fazendo umapelo para que tal decisão seja revista. O ex-deputado estadual petista Rogério Correia, que defendecandidatura própria do PT na capital, ainda pediu para quefosse acrescentada no texto final uma frase citandoespecificamente que não seria aceita aliança com o PSDB e oPPS, mas a proposta foi rejeitada por 30 votos a dez. "A direção preferiu deixar o termo obscuro", afirmouCorreia, que não descarta a possibilidade de pedir intervençãoda direção nacional no diretório de Belo Horizonte.A chapa homologada na convenção foi articulada principalmentepelo prefeito Fernando Pimentel (PT) e pelo governador AécioNeves (PSDB), para quem Lacerda trabalhava como secretário deDesenvolvimento Social até cerca de um mês atrás. A decisão final sobre a composição da coligação ficará parao dia 29, quando será realizada a convenção do PSB, mas o grupoque apóia a aliança com os tucanos tem esperança de que oacordo será mantido. "Política não é feita de hipóteses. Éfeita de fatos", afirmou Pimentel, em entrevista antes daconvenção. O prefeito se referia à possibilidade do PSB fazer umaaliança formal com o PSDB, o que, mantida a posição da direçãonacional do PT, inviabilizaria a participação do PT nacoligação. "Não trabalhamos com hipóteses. A chapa existe e foiformalizada", disse Pimentel. "Não há ninguém mais petista queo outro. Podemos divergir, mas caminhamos juntos. Temosesperança de que o que estamos fazendo em Belo Horizonte vaiprosseguir. A dobradinha vem de longe e é vitoriosa", afirmou,durante discurso na convenção, no qual lembrou que foi vizinhode cela de Márcio Lacerda durante a ditadura militar. Ainda no discurso, Pimentel afirmou que "o governador estáansioso para entrar na campanha" e que a chapa uniria aprefeitura, o governo do estado e a presidência, já que LuizInácio Lula da Silva manifestou apoio à coligação. "É umaousadia o que estamos fazendo na cidade, e vai dar certo. Sãocompanheiros que vão estar conosco em 2008 e em 2010 também",disse, referindo-se à possibilidade de se candidatar paragovernador de Minas. É justamente a eleição de 2010, entretanto, que levou adireção petista a vetar a coligação como o PSDB, já que AécioNeves é, ao lado do governador paulista José Serra, o tucanomais cotado para concorrer à sucessão de Lula. "Aécio ePimentel são políticos experientes e vão encontrar o melhorcaminho. A proibição (da aliança com PSDB) tem limite, que é odesejo do povo. Essa decisão não é razoável", avaliou MárcioLacerda, que também participou da convenção deste sábado. Apesar da confiança do grupo que articulou a coligação deque o PT mudará sua posição, lideranças do partido em Minastrabalham com a hipótese de que o veto seja mantido. Nestecaso, outra convenção, marcada para o dia 30, que deveriaescolher os candidatos a vereadores, também poderá definirnomes para uma candidatura própria. "O PSB que vai decidir. Sefechar com o PSDB, não podemos desrespeitar a decisão nacionale saímos da aliança. Temos quatro possíveis candidatospróprios", afirmou o presidente do PT em Minas, deputadofederal Reginaldo Lopes.Entre as possibilidade, ele citou o próprio Roberto Carvalho, odeputado federal Miguel Correia Júnior, Rogério Correia e oex-secretário municipal Murilo Valadares, que sedesincompatibilizou da Prefeitura de Belo Horizonte a tempo depoder concorrer nas eleições de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.