PT gaúcho e ex-ministra contestam Vicente Brizola

O PT do Rio Grande do Sul e a ex-ministra de Políticas para Mulheres, Emília Fernandes, divulgaram hoje notas contestando as declarações feitas à revista Veja pelo ex-diretor da Loteria do Estado do Rio Grande do Sul (Lotergs), José Vicente Brizola, de que teria sofrido pressão do PT para "achacar dinheiro" de empresários de jogos e loterias para aplicação em campanha eleitoral.A nota do PT diz que "as acusações são requentadas" e que o partido irá à Justiça contra o filho do ex-governador Leonel Brizola. "Ele (José Vicente) terá que provar e responder criminalmente sobre mais esta leviandade, motivada por razão vil, a não ser o interesse próprio, já que o mesmo (José Vicente) havia, durante 2003, pleiteado emprego no governo federal". O texto lembra que, no "resultado final" da CPI da Segurança Pública, no governo de Olívio Dutra, hoje ministro das Cidades, "todos os acusados foram inocentados." Já a nota de Emília Fernandes usa a expressão "onda de denuncismos contra o PT" para rebater as acusações. Segundo ela, José Vicente Brizola tem "comportamento de uma pessoa desequilibrada, sem qualquer fundamento ou prova e com alto grau de leviandade, não merece qualquer credibilidade, pois objetiva tão somente obter benefícios particulares e/ou eleitorais". A ex-ministra afirma que ela, membros de sua família e militantes do PT receberam de José Vicente "ameaças constantes", nas quais ele transparecia "total descontrole emocional e ético numa cobrança constante de emprego no governo federal."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.