PT faz ato de desagravo a Olívio Dutra

O virtual candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente nacional do partido, José Diceu, e milhares de petistas participaram, no centro de Porto Alegre, de um ato de desagravo ao governador Olívio Dutra. Ao lado da manifestação, marcada por discursos e claques, o secretário de Justiça e Segurança, José Paulo Bisol, aproveitou seu depoimento na Assembléia Legislativa para fazer o mais duro ataque à CPI que investiga as supostas relações do PT com o jogo do bicho."Se é para levantar suspeitas, eu levanto suspeitas sobre qualquer um de vocês", disse Bisol aos deputados, acusando a CPI de "injusta" e "imoral" e de se utilizar de "pequenas ambigüidades" para atingir a honra do governador. "Não se acanalhem." Indignado, o relator da CPI, deputado Vieira da Cunha (PDT), interrompeu o discurso para rebater o petista. "Não são pequenas ambigüidades que estamos tratando, mas fatos da maior gravidade, um dos maiores escândalos que eu tenho conhecimento", disse o pedetista.Último depoente a falar à CPI, Bisol acusou a CPI de fazer "guerra ideológica" contra o PT e comparou Olívio ao senador Pedro Simon (PMDB), ao ex-governador Leonel Brizola e ao pai do relator, Vieira da Cunha, os quais considerava homens de honra, acima de qualquer suspeita. "Respeitem o governador. Chega de baixaria", pediu o secretário. "Renovem a CPI, investiguem o Clube de Seguros da Cidadania (entidade que recolheu doações para o PT), mas deixem em paz um homem que merece respeito."Na fase das perguntas, Bisol disse não acreditar que o Clube da Cidadania tenha arrecadado dinheiro do bicho, mas defendeu punição para o caso de isso ser provado. "Esse dinheiro está sujo de sangue. Quem pega se suja e tem de responder", afirmou, referindo-se aos crimes conexos à jogatina.O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou que a CPI tenta atingir o PT, mas o partido não vai se utilizar de "qualquer mecanismo de abafa". Segundo ele, "o partido não pode deixar de dar resposta à sociedade, e temos de ser mais exigentes conosco". "No PT, um tostão vale mais do que um milhão dos seu adversários", disse, comparando com os escândalos que atingem integrantes de outros partidos, como o PFL paranaense.O deputado José Dirceu comparou os ataques a Olívio a outras tentativas de manchar a imagem do PT, como no caso do seqüestro do empresário Abílio Diniz. "Nós estamos acostumados, temos uma longa história de enfrentar denúncias", afirmou Dirceu. Segundo ele, os adversários também estão tentando atingir o PT em outros Estados, como o Acre, o Sergipe e o Mato Grosso do Sul.Dirceu ironizou as perguntas do relator da CPI, às quais chamou de "simulacro", mas disse que o PT não teme investigações, e que a oposição, sim, se desvia do objeto do inquérito parlamentar. "A CPI não quer investigar o jogo do bicho porque chegará à banda podre da polícia, e a políticos dos partidos de direita."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.