PT está otimista para reconquistar Prefeitura de SP

O Conselho Político da pré-campanha do ex-ministro da Educação Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo discute na manhã deste sábado uma proposta de resolução do PT que reunirá as diretrizes do projeto da legenda para a administração do executivo municipal. Segundo o presidente nacional do partido, deputado estadual Rui Falcão, os integrantes deste conselho discutem também a organização da agenda do pré-candidato, além de questões burocráticas, como estrutura para o comitê de campanha e os primeiros esboços do plano de governo. "Estou muito otimista com a nossa possibilidade de reconquistar a Prefeitura", disse Falcão, ao deixar o encontro, que está sendo realizado num hotel da capital.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

28 de janeiro de 2012 | 12h17

O presidente da legenda adiantou que o plano de governo de Haddad terá contribuição de entidades sociais e dos aliados da base do governo Dilma que aderirem à candidatura. A resolução em discussão também deve abordar o perfil do futuro vice da chapa petista. "Primeiro vamos definir os compromissos programáticos e os partidos que vão se reunir em torno disso. E o vice tem de corresponder a este perfil", afirmou.

Rui Falcão disse também que a discussão em torno do eventual apoio do PSD do prefeito Gilberto Kassab não esteve no foco das discussões dessa manhã, assim como não foram abordadas as alianças com outras legendas: "Esse diálogo com os partidos, mesmo com quem tem candidatos, não é para pressionar a retirar a candidatura, é porque São Paulo, tradicionalmente, tem dois turnos."

Marta. Participam, neste momento, da reunião, 19 dos 27 integrantes do Conselho Político. A principal ausência é da senadora Marta Suplicy (PT-SP), que até agora não compareceu a nenhum dos outros dois encontros. "Ela deve estar fora de São Paulo, mas tenho certeza, absoluta, de que ela participará da pré-campanha, como sempre esteve em todas as campanhas do PT."

Falcão comemorou a liberação de Haddad pela presidente Dilma Rousseff de suas atribuições na pasta da Educação para se dedicar integralmente à campanha. "Queria ressaltar nossa alegria pela liberação do Fernando Haddad, que agora pode estar em tempo integral na campanha. E também transmiti o sentimento que vi em Brasília do apoio ao trabalho dele lá, inclusive com o simbolismo do milionésimo estudante do ProUni", ressaltou.

Em sua breve participação na reunião de hoje, o dirigente petista disse ainda que a vitória em São Paulo só será possível com a unidade do partido e com um programa de mudanças na gestão municipal. "Estou totalmente de acordo com a visão programática que ele (Haddad) tem de que dentro de casa o cidadão paulistano está muito satisfeito com os benefícios que auferiram nesses anos os governo Lula e Dilma. Mas, da porta para fora, nós temos que mudar muita coisa", disse, numa referência aos problemas que a cidade de São Paulo enfrenta.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesprefeituraHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.