PT entra com ação contra Serra por divulgação de vídeos agressivos

Recurso classifica videos como ilegais já que não podiam ser exibidos 'em sites de pessoas jurídicas'

Lucas de Abreu Maia, de O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 17h45

SÃO PAULO - A campanha de Dilma Rousseff entrou nesta quinta-feira, 23, com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a coligação "O Brasil Pode Mais" - do candidato tucano José Serra. A motivação para a medida é uma série de vídeos publicados nesta quinta na internet - e feitos a pedido da campanha do PSDB - que, em tom agressivo, acusam o PT de ser "o partido que não gosta da imprensa" e que "ataca seus adversários e a família dos seus adversários". Na ação, os advogados de Dilma pedem liminar para retirar o vídeo do ar e impedindo o PSDB de exibi-lo na mídia tradicional. De acordo com a assessoria jurídica da petista, a coligação teria, ainda, solicitado à Polícia Federal que investigue o caso. O mesmo pedido foi feito ao Ministério Público, de acordo com o site de Dilma.

 

"É de fácil verificação que o vídeo não tem o condão de criticar a adversária com a finalidade de debater ou discutir propostas de governo antagônicas ou diversas - o que é aceito de forma irrestrita no embate eleitoral. Trata-se de evidente e absurda ofensa à dignidade da candidata Dilma Rousseff e de seu partido, em desacordo com a legislação vigente, pois ofensiva, degradante e falsa", diz a ação protocolada no TSE.

 

No mais agressivo dos vídeos, um sósia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece segurando quatro cães da raça rottweiler, que latem ferozmente em direção à câmera. Um locutor diz: "Lula fez coisas boas pelo País. A melhor delas foi não deixar o PT mandar no seu governo". E conclui: "Lula conseguiu segurar, mas e a Dilma? Será que ela vai ter força para segurar o PT?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.