PT e PTD e ajudam a fechar cerco sobre Renan

Partidos defendem continuidade das investigações no processo contra senador

Agencia Estado

04 de julho de 2007 | 17h24

Aumenta a pressão sobre o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Nesta terça-feira, a bancada do PT no Senado divulgou uma nota em que defende a continuidade das investigações. Já a bancada do PDT decidiu, por unanimidade, pedir o afastamento temporário de Renan da presidência até que sejam concluídas as investigações.Segundo Jefferson Peres, sem tal atitude haverá descrédito nas investigações e grave dano ao Congresso. Também já pediram o afastamento de Renan Calheiros o DEM e o PSDB.Pela manhã, os tucanos decidiram que nesta tarde os líderes do PSDB fariam discursos pedindo o afastamento de Renan Calheiros. O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio, anunciou que só fará o discurso no momento em que Renan Calheiros estiver presidindo a sessão.A posição do PSDB foi formalizada em reunião da bancada do Senado e contou com a presença do líder do PSDB na Câmara, Antonio Carlo Pannunzio. A avaliação geral do caso Renan é a de que sua situação se torna a cada dia mais difícil. "Está muito ruim", admitiu, nesta terça, em uma conversa reservada, o senador José Sarney (PMDB-AP), que forma, com Renan, a principal dupla de apoio ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Senado. AplausosA nota do PT diz que eles "aplaudem" a decisão da Mesa Diretora do Senado de devolver o processo ao Conselho. "Nesta oportunidade, os senadores expressam sua irrestrita confiança no prosseguimento das investigações no Conselho, observados o devido processo legal e as garantias constitucionais do contratidório e da ampla defesa". O texto afirma ainda que os parlamentares se empenharão para que o procedimento em curso seja concluído de forma rápida, "nos estritos termos constitucionais, legais e regimentais, fazendo-se a necessária Justiça". Pede que o Conselho se reúna o mais breve possível para dar continuidade à investigação. (Colaborou Rosa Costa)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.