Gustavo Lima/ Ag. Câmara
Gustavo Lima/ Ag. Câmara

PT e PMDB divergem sobre reforma ministerial

Após o líder peemedebista Leonardo Picciani afirmar que vai encaminhar pedido de redução das pastas, líder petista afirma que tema 'não está na discussão' e que é necessário debater pacote Anticorrupção

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

19 de março de 2015 | 18h38

Brasília - O PT reagiu a estratégia da bancada do PMDB na Câmara de priorizar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz o número de ministérios em vez de  promover um esforço  concentrado para aprovar com rapidez o pacote anticorrupção apresentado na quarta pela presidente Dilma Rousseff.

"Esse assunto (a redução de ministérios) não está discussão. Vamos avançar no pacote", diz o líder do PT na Câmara, Sibá Machado (AC). O líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ) discursou na tarde desta quinta-feira, 19, na tribuna da Casa anunciando que a legenda terá uma agenda própria de medidas para dar uma resposta às manifestações do domingo.

Os peemedebistas dizem que o pacote não é prioridade e defendem  uma redução de 39 para 25 ministérios. "É um exagero ter 39 ministérios.

"Cortar seria uma demonstração clara e inequívoca do compromisso do governo com às ruas", afirma Picciani. Segundo ele, o pacote anticorrupção deveria ter sido discutido "previamente" com os partidos da coalizão governista, da qual o PMDB faz parte, antes de ser enviado ao Congresso. "Podia chegar um texto mais redondo", conclui.

As duas siglas, as maiores do Congresso, travam na Câmara uma disputa pelo protagonismo da repostas aos movimentos de protesto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.