PT e PMDB anunciam palanque único em Minas Gerais

Fernando Pimentel admite ceder a chapa para Hélio Costa e ficar com a vaga ao Senado

Vera Rosa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

05 Maio 2010 | 13h31

As direções do PT e do PMDB anunciaram nesta quarta-feira, 5, que haverá palanque único para a candidata petista ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, em Minas Gerais. Em reunião realizada na presidência do PMDB, dirigentes nacionais e regionais dos dois partidos tentaram mostrar unidade, apesar das dificuldades enfrentadas para as parcerias nos Estados.

 

A composição da chapa mineira será anunciada em 6 de junho. O PMDB quer emplacar o senador Hélio Costa como candidato ao Palácio da Liberdade e condiciona o apoio a Dilma ao acordo em Minas. No PT, o pré-candidato é o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, que venceu a prévia disputada contra o ex-ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, no último domingo.

 

Um dos principais coordenadores da campanha de Dilma, Pimentel admite ceder a cabeça de chapa para Costa e ficar com a vaga ao Senado para não atrapalhar a formação do palanque da ex-ministra em Minas. O PT, porém, não quer recuar imediatamente e empurrou o anúncio para junho. Dessa forma, ao mesmo tempo em que acenam para suas bases partidárias, os petistas tentam encontrar uma saída para o impasse.

Questionado sobre qual será o critério para a montagem da chapa, o presidente do PT, José Eduardo Dutra, respondeu sem pestanejar: "O critério é o da política. A unidade dos dois partidos não pode ser construída artificialmente."

 

Na prática, tanto o PMDB como PT puxam a corda à sua maneira. O PMDB faria um encontro no próximo dia 15 para anunciar o apoio a Dilma, mas decidiu ganhar tempo para cobrar as faturas regionais do PT. Resultado: o PMDB fará sua convenção somente em 12 de junho. Já a convenção do PT será realizada um dia depois, em 13 de junho.

 

"Estamos alinhavando os acordos em vários Estados, de forma lenta, mas progressivamente", afirmou o presidente da Câmara, Michel Temer (SP), que comanda o PMDB e é cotado para vice na chapa de Dilma.

 

Além de Minas, o PT e o PMDB têm problemas para resolver em vários Estados, como Pará, Maranhão e Ceará.

Pimentel e Costa saíram do encontro sorrindo para as câmeras, na tentativa de demonstrar que haviam selado a paz. "Eu nunca fiz exigência alguma", disse o senador. "Foi uma excelente reunião", resumiu o ex-prefeito de Belo Horizonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.