Reprodução/SBT
Reprodução/SBT

Críticas à suspensão da investigação sobre Queiroz vão do MBL ao PT

Lideranças à direita e à esquerda se mostraram contrárias à paralisação dos procedimentos investigatórios sobre as movimentações financeiras atípicas nas contas do ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2019 | 14h31
Atualizado 17 de janeiro de 2019 | 17h58

A decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, de suspender as investigações sobre movimentações financeiras atípicas do ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz, e de outros assessores da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), foi criticada por parlamentares do Movimento Brasil Livre (MBL), do PT e do PSOL. O pedido de suspensão foi solicitado pela defesa de Flávio, filho do presidente Jair Bolsonaro. Agora, o processo fica parado até que o relator da Reclamação, ministro Marco Aurélio do Mello, se pronuncie. 

Presidente nacional do PT, a atual senadora e deputada federal eleita Gleisi Hoffmann (PR) mostrou indignação com a decisão anunciada nesta quinta. "Muito grave a notícia de que o Supremo suspendeu a investigação sobre o caso. Os pesos e medidas são muito diferentes. Para Lula, basta convicção, para os Bolsonaros nem documento público é considerado", afirmou a líder petista. 

Kim Kataguiri, uma das principais lideranças do MBL, escreveu que o pedido "cheira muito mal". "Entrar com pedido para ser investigado em foro especial é, no mínimo, suspeito", afirmou o deputado federal eleito pelo DEM-SP.

O vereador paulistano Fernando Holiday (DEM-SP), coordenador nacional do MBL, também engrossou o coro contrário à decisão. Ele disse que, quando foi acusado de ter feito caixa 2, foi o primeiro a "se denunciar". "Sempre soube que nada fiz de errado, por isso eu era o mais interessado em ser investigado. Qualquer ação em sentido contrário geraria estranheza e com razão", escreveu. 

Candidato derrotado à Presidência da República, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) ironizou a decisão e disse que Flávio Bolsonaro "deu uma fraquejada". 

Veja abaixo a repercussão nas redes sociais: 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.