PT e aliados veem ''apoio solidário'' de Lula a Sarney

A defesa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), foi interpretada como gesto de solidariedade por peemedebistas e integrantes do próprio PT. Ontem, aliados de Sarney avaliaram a fala de Lula como obrigatória, já que o presidente do Congresso integra o principal partido da base do governo. A declaração do presidente que, do Casaquistão, na véspera, disse que Sarney não pode ser "tratado como pessoa comum" foi considerada positiva, mas insuficiente. Para um dirigente do PMDB, a manifestação do presidente foi como receitar uma aspirina a um doente que está na UTI. Já Renan Calheiros (PMDB-AL), fiel escudeiro de Sarney que já esteve em fogo cruzado no Senado, disse que a fala do presidente foi "importantíssima". "O presidente fez uma defesa da instituição e do presidente Sarney. Lula foi firme com o Sarney como foi comigo lá atrás", disse, ressaltando sua "coragem" por ir na contramão da opinião pública.Embora tenha acalmado os ânimos dos peemedebistas, a manifestação do presidente não agradou a todos. Ontem, vários diziam que a fala é aceno para a plateia. Um aliado de Sarney anotou que Lula não move um dedo para segurar o PT. Os petistas têm criticado abertamente Sarney pela crise no Senado. Eles avaliam que Lula agiu para preservá-lo. "Lula tem relação pessoal com Sarney, mas saiu também em defesa do partido (o PMDB)", anotou o senador João Pedro (PT-AM). "Sarney também deu apoio ao presidente Lula", disse o senador Tião Viana (PT-AC).Para a oposição, a defesa de Lula não passa de "demagogia". "É claro que o presidente Sarney deve ser tratado com respeito, mas precisa liderar a superação da crise", anotou o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE). COLABOROU CHRISTIANE SAMARCO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.