PT do Maranhão distribui na convenção texto contra Sarney

Manifesto marca posição contra cúpula nacional, que interveio no Estado para garantir apoio à candidatura de Roseana

Ana Paula Scinocca / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2010 | 09h33

BRASÍLIA - Os petistas do Maranhão chamaram a atenção no evento que oficializou a candidatura de Dilma Rousseff à Presidência. Eles distribuíram um manifesto contra a intervenção da cúpula nacional do partido, que obrigou o PT maranhense a se alinhar com a governadora Roseana Sarney (PMDB), candidata à reeleição. Em encontro oficial, o seção regional da legenda tinha optado por apoiar Flavio Dino, candidato do PC do B, mas a decisão foi anulada de cima para baixo.

 

Veja também:

Dilma acusa adversários de usar 'veneno'

Lula diz que oposição 'inventa dossiês todo dia'

 

No texto, os petistas maranhenses criticam o presidente do Senado, José Sarney - que estava no palco da convenção de Dilma e foi aplaudido. O manifesto também explica as razões do protesto do deputado Domingos Dutra (MA), que continua em greve de fome no plenário da Câmara. Ontem, aderiu à greve um dos mais velhos fundadores do PT, Manoel da Conceição, de 75 anos. Presente à convenção, Roseana foi citada por Dilma, que a chamou de Roseane.

 

O evento foi marcado pela homenagem às mulheres. Num telão, eram exibidas imagens de personalidades femininas decisivas na história brasileira, enquanto a apresentadora da festa, a atriz Tássia Camargo, lia relatos sobre suas vidas. A Princesa Isabel, que assinou a abolição da escravatura, foi vaiada pelos militantes petistas. Já Maria da Penha, que dá nome à lei que prevê aumento no rigor das punições de agressões contra a mulher no âmbito doméstico ou familiar, foi muito aplaudida.

 

O encontro reuniu num centro de eventos 1.800 pessoas, entre as quais a feminista Rose Marie Muraro e a própria Maria da Penha. Dilma subiu ao palco usando um casaqueto vermelho, mesma cor predominante no figurino exibido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela primeira-dama, Marisa Letícia.

 

Lilás. A candidata não pôde comparecer com a mãe, que ficou em casa, em Brasília, nem com a filha, que está grávida e não teve como vir de Porto Alegre. No encerramento, um mar de bandeiras na cor lilás tomou conta do local da convenção.

 

Das autoridades presentes, o vice-presidente José Alencar foi um dos mais festejados. Aos que não tinham lugar no palco, o PT reservou uma espécie de cercadinho VIP. Dentro do salão, além de políticos e militantes, circulava um grupo de lobistas que costuma frequentar o Congresso.

 

Ao final do evento, os próprios petistas resumiram a festa: "Já tivemos convenções melhores".

Tudo o que sabemos sobre:
MaranhaoPTJose Sarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.