PT diz que não muda estratégia

O líder do PT na Câmara, Walter Pinheiro (BA), afirmou nesta sexta-feira que o partido não mudará a estratégia de manter o recuo na intenção de entrar com uma representação contra o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA)."Iremos sim insistir na instalação da comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar todas as denúncias feitas pelo senador e outros escândalos nacionais", afirmou.O deputado negou que o PT tenha negociado com ACM para não ser enviada a representação à presidência do Senado em troca do apoio dele à CPI."Não houve ainda nenhum contato com o senador, mas, se algum deputado da oposição fez isso, foi individualmente, jamais em nome do partido", afirmou.Pinheiro afirmou que o PT desistiu da representação porque entendeu que a denúncia apresentada à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar do Senado para apurar as denúncias divulgadas pela revista IstoÉ tem o mesmo peso. Principalmente, acredita Pinheiro, uma CPI tem o poder "de chamar inclusive o senador ACM para depor". O deputado diz que todas as assinaturas a mais no pedido de CPI são bem-vindas. "Queremos a assinatura de ACM no pedido de instalação da CPI, assim como de qualquer membro da base governista."Segundo o líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), a legenda indicará a posição sobre a CPI proposta pelo PT apenas na terça-feira. "O que não concordamos é que a CPI fique restrita ao caso do ex-secretário-geral da Presidência da República Eduardo Jorge (Caldas Pereira, investigado pelo Ministério Público como suspeito de envolvimento no desvio de verbas da obra do Fórum Trabalhista de São Paulo)", afirmou o deputado. "Quanto mais ampla (a CPI) for, incluindo todas as denúncias feitas por ACM, melhor."Para a senadora Heloísa Helena (PT-AL), a nova estratégia do PT está correta. "Não creio que o PPS vá numa outra mão e deverão assinar o pedido da CPI e não optar pela representação", disse. "Nossos adversários são outros e não há por que haver divisão de objetivos entre os partidos de oposição."Nas denúncias publicadas na IstoÉ, ACM teria afirmado que tem em mãos a lista dos votos secretos da cassação do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF), na qual Heloísa teria votado contra. A senadora negou a suposta acusação de ACM e, na semana passada, ajudou a levantar a bandeira da representação contra o senador por quebra de decoro parlamentar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.