Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

PT diz que lei sancionada por Maia mostra que ações de Dilma nunca foram crime

Mesmo com o posicionamento, a sigla rebate ideia de que nova legislação regulariza pedaladas fiscais; para o partido, ela trata dos créditos suplementares

Daniel Weterman, O Estado de S. Paulo

09 de setembro de 2016 | 12h18

SÃO PAULO - O Partido dos Trabalhadores (PT) afirmou em artigo que a lei sobre a abertura de créditos suplementares, sancionada por Rodrigo Maia (DEM-RJ) no exercício da Presidência da República, mostra que as ações de Dilma Rousseff no governo, contidas na denúncia do impeachment, nunca foram crime. O texto foi publicado na quinta-feira, 8, e é assinado pela Agência PT de Notícias.

No título do artigo, o PT afirma que a nova lei mostra que as "pedaladas fiscais" nunca foram crime. No texto, entretanto, a legenda rebate a ideia de que o texto sancionado por Maia regulariza pedaladas fiscais e diz que a legislação trata dos créditos suplementares, outra parte da denúncia contra Dilma no Congresso. "Na verdade ela (a lei) apenas ajusta o artigo que fala sobre crédito suplementar e havia sido proposto pelo governo Dilma", diz o artigo.

"O processo de impeachment contra a presidenta eleita Dilma Rousseff, se apoiava fundamentalmente em uma pequena quantidade de decretos presidenciais que já foram usados em governos anteriores e nunca foram considerados ilegais. Uma nova lei regulamentou esses decretos, comprovando, mais uma vez, que a tese utilizada para o impeachment era completamente absurda", diz o PT.

A Lei 13.332/2016, sancionada por Maia no último dia 2, flexibiliza as regras para abertura de créditos suplementares sem necessidade de autorização do Congresso Nacional. O crédito suplementar é um reforço a uma despesa já prevista na lei orçamentária.

O texto autoriza o governo a reforçar, por decreto, até 20% do valor de uma despesa prevista no Orçamento de 2016, mediante o cancelamento de 20% do valor de outra despesa. O remanejamento entre despesas é restrito a 10% do valor da despesa cancelada, de acordo com a lei orçamentária (Lei 13.266/16). As informações são do site da Câmara dos Deputados e do Senado.

Golpista. A legenda atacou o relatório do senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), a quem chamou de "golpista", no processo de impeachment pelo fato do parecer dele afirmar que, quando se usa o superávit financeiro de anos anteriores para financiar despesa primária, sempre há resultado financeiro negativo.

"Ele (Anastasia) ignora que é possível conter os gastos em outra área para equilibrar as contas, o que foi feito pelo governo Dilma e por tantos outros em mandatos anteriores", diz o artigo.

A aprovação da Lei Orçamentária Anual de 2016, que, segundo o PT, permite a flexibilização a orçamentária, mostra a incoerência de Anastasia e dos senadores que aprovaram a lei e depois votaram a favor do impeachment de Dilma Rousseff, afirma a legenda.

Críticas à LOA 2017. No mesmo artigo, o PT também criticou a apresentação do Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2017 por parte do governo de Michel Temer, que prevê um déficit fiscal de R$ 139 bilhões no próximo ano. A crítica diz respeito a uma alteração do texto da condição que dizia que os decretos teriam que estar "compatíveis com a obtenção da meta de resultado" para que eles tenham que estar "de acordo com a meta".

A mudança, defende o partido, é outra incoerência do relatório de Anastasia, que propôs o afastamento definitivo de Dilma do cargo, e representa uma "sutileza" na condição do limite financeiro para os gastos públicos.

"Mudaram o texto do artigo mais discutido durante a comissão do impeachment para adequá-lo à forma como o TCU interpretou o texto anterior. Deixando claro, assim, que texto anterior dava margem à interpretação vigente há 15 anos - e que portanto não houve qualquer crime da parte da presidenta Dilma Rousseff", reforçou o PT.

A nota do site replica um comentário feita pela professora de Economia Laura Carvalho, da Universidade de São Paulo (USP), na semana passada. A especialista afirmou em seu perfil no Facebook que os decretos de Dilma não elevaram o total de despesas do governo e por isso não causariam descumprimento da meta fiscal, não constituindo assim um crime de responsabilidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.