Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

PT deve recuar de decisão de proibir doações de empresas

Há 16 meses das eleições municipais, sigla cogita abrir exceções para que diretórios com dívidas antigas possam receber dinheiro

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

10 de junho de 2015 | 19h17

Brasília - O PT deve recuar da decisão de proibir doações empresariais para as campanhas. Mas, antes, empurrará a polêmica para o Diretório Nacional. Em reunião realizada hoje, em Salvador, dirigentes da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), majoritária no PT, disseram que é impossível saldar dívidas antigas e contrair outras sem aceitar recursos de empresas privadas.

"Estamos propondo que se abram exceções à proibição", disse o presidente do PT de São Paulo, Emídio Souza. "Não vejo como pagar nossa dívida sem contribuição empresarial. É melhor assumir isso agora do que depois ter de pagar um preço político mais alto."

A dívida do PT paulista, remanescente da campanha de Alexandre Padilha ao Palácio dos Bandeirantes, é de R$ 55 milhões. Na reunião de dirigentes do PT com o novo tesoureiro Márcio Macedo, Emídio foi o porta-voz da proposta que permite aos diretórios com dívidas antigas receber doações de empresários.

A polêmica será posta em votação no 5º Congresso do PT. Há, porém, uma proposta da chapa que abriga a CNB, grupo de Lula, que remete a palavra final sobre a "batata quente" para o Diretório Nacional do partido. Na sexta-feira, o PT lançará uma campanha de arrecadação de recursos pela internet.

A decisão do PT de acabar com as doações empresariais foi divulgada em abril, dois dias depois da prisão do tesoureiro João Vaccari Neto, acusado de desviar recursos da Petrobrás para abastecer o caixa do partido. Era um gesto para criar um fato político e amenizar o desgaste com as denúncias da Operação Lava Jato.

Agora, a 16 meses das eleições municipais, pré-candidatos e dirigentes da legenda temem ficar sem recursos nas campanhas e escancaram as queixas com a proibição do financiamento privado.

O problema é que, após o PT conseguir derrubar uma tentativa do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de enxertar o financiamento privado na Constituição, uma manobra de última hora alterou esse quadro. Cunha promoveu uma segunda votação, que aprovou a emenda permitindo às empresas doarem recursos aos partidos, os quais podem distribuir a verba entre os candidatos.

A proposta deve ser votada mais uma vez pela Câmara e, se for aprovada, será enviada ao Senado. "Nós vamos continuar lutando contra o financiamento empresarial, mas, como a votação no Congresso Nacional ainda não está concluída, a minha proposta é que se mantenha a suspensão como está, por enquanto", afirmou o presidente do PT, Rui Falcão.

No encontro de Salvador, porém, o tema serve de combustível para atiçar a disputa entre as correntes internas. Nessa queda-de-braço, sobram acusações sobre recuo e discurso de "fachada".

Para o ministro da Defesa, Jaques Wagner, o PT errou ao proibir as doações empresariais. "Ou muda a reforma política para a gente acabar com o financiamento privado ou não adianta a gente querer posar de mais honesto individualmente do que os outros", disse Wagner. "Nós defendemos o financiamento público das campanhas, mas temos de jogar dentro das regras. Por que vamos ficar na bacia das almas?, emendou Francisco Rocha, coordenador da corrente CNB.

Carlos Árabe, secretário de Formação Política do PT e representante da tendência Mensagem ao Partido, disse que o partido não pode voltar atrás sob pena de cair no descrédito. "O financiamento privado favorece a corrupção. "Nós vamos lutar até o fim contra isso", insistiu Árabe. 

Tudo o que sabemos sobre:
Congresso PTdoações eleitorais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.