PT decide futuro de Jorge Babu

Acusado de envolvimento com milícias vai à comissão de ética

Roberta Pennafort e Luciana Nunes Leal, RIO, O Estadao de S.Paulo

01 de setembro de 2008 | 00h00

Acusado de envolvimento com grupos de milícias do Rio de Janeiro, o deputado estadual Jorge Luiz Hauat, o Jorge Babu, do PT, terá seu destino político decidido hoje pela executiva regional do partido. O presidente do PT fluminense, Alberto Cantalice, disse ontem que, neste momento, a punição mais provável é o cancelamento temporário da filiação do parlamentar, para permitir que ele se defenda na comissão de ética - e, depois, a expulsão definitiva. "O estatuto do PT não prevê expulsão sumária. Não adianta fazer pirotecnia agora e depois dar asas para ele voltar com plenos direitos", afirmou Cantalice. O afastamento de Babu pode durar de dois a seis meses. Ex-policial civil suspeito de comandar uma milícia na zona oeste da cidade, Babu foi chamado pelo dirigente do partido a prestar esclarecimentos à executiva na reunião de hoje. Ao lado de outras dez pessoas, ele foi denunciado pelo Ministério Público do Estado (MPE) por formação de quadrilha armada e extorsão. Em 2004, ainda vereador, Babu foi preso pela Polícia Federal em uma rinha de galo e expulso pelo PT municipal. No entanto, recorreu à executiva regional, que nada decidiu. Babu acabou ficando no partido e elegeu-se deputado em 2006. Na mesma operação policial foi preso também o publicitário Duda Mendonça, marqueteiro da vitoriosa campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002. No sábado, o deputado voltou a negar envolvimento em milícias e reagiu com ironia às notícias de que tinha sido preso em flagrante. "Se a Polícia Federal vier à minha casa, o café está pronto para recebê-la. Eu gosto da polícia, sou policial", afirmou, por telefone. Babu diz que as acusações são retaliações de outros petistas por causa do bom desempenho de seu irmão, Elton Babu, candidato a vereador. Cantalice informou ontem que o partido não recebeu nenhuma denúncia contra Elton. "Meu irmão aparece nas pesquisas com quase tantos votos quanto o candidato a prefeito", provocou Babu. O candidato do PT à prefeitura, Alessandro Molon, defende a expulsão de Babu desde a prisão na rinha de galo e, na semana passada, reiterou o pedido de punição encaminhado à executiva petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.