PT decide adiar prévia presidencial

A Executiva do Partido dos Trabalhadores definiu hoje que a prévia para a escolha do candidato do PT à presidência será realizada no dia 3 de março de 2002. O prazo para as inscrições internas termina em dezembro, quando o partido realiza, nos dias 2 e 3, seu encontro nacional. Até a reunião da Executiva de hoje, havia expectativa de que a definição do candidato à presidência fosse feita em outubro deste ano. O presidente do PT, José Dirceu, afirmou que o adiamento da escolha do candidato ocorreu porque o cenário sucessório para 2002 ainda não está definido. "Não estão definidos os candidatos governistas. Também não está claro se o PSDB sairá com alguma aliança", afirmou. "Tudo indica que o PMDB terá candidatura própria, além de a candidatura do PSB não estar definida, assim como não há contorno da candidatura de Ciro Gomes (presidenciavel pelo PPS)", acrescentou Dirceu. Na avaliação do presidente do PT, a crise que o Brasil atravessa também influenciou o partido. "Consideramos que é razoável tomar esta decisão. Até porque, o PT tem uma posição privilegiada", afirmou, referindo-se ao fato de o nome do presidente de honra da legenda, Luiz Inácio Lula da Silva, aparecer bem posicionado nas pesquisas. "Além disso, temos um segundo nome, que é o do senador Suplicy, e que tem uma posição boa se comparada com a do Serra (do ministro da Saúde José Serra)", disse. Dentro do PT, o senador Eduardo Suplicy é o único já inscrito na prévia para a disputa da Presidência da República. Dirceu afirmou, ainda, que o partido prefere finalizar primeiro o processo de renovação e só depois pensar na sucessão de 2002. No próximo dia 16 de setembro, o PT realiza eleições diretas para definir seus novo presidente nacional e as lideranças estaduais e municipais. "Temos tempo suficiente para que o PT consolide qualquer candidatura", observou.Dirceu rebateu ainda as críticas indiretas feitas pelo presidente Fernando Henrique Cardoso ao PT. O presidente afirmou que a oposição estava cantando vitória antes do tempo, o que ele supostamente ?nunca fez?. "Ele canta, sim, vitória antes do tempo. Cantou e perdeu para o Jânio Quadros (disputa à prefeitura de São Paulo em 85). Fernando Henrique não tem nenhuma autoridade moral para falar isso", rebateu o presidente do PT. Dirceu negou que seu partido e Lula estejam ?cantando vitória?.Ele aproveitou, ainda, para criticar as medidas econômicas tomadas pelo ministro da Fazenda, Pedro Malan, nos últimos dias, para conter a disparada do dólar. "O Malan quer que o próximo governo siga a política econômica dele, as metas inflacionárias dele e a independência do Banco Central", disse. Segundo Dirceu, em eventual governo petista as metas inflacionárias serão respeitadas, mas não "nos parâmetros que ele (Malan) está estabelecendo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.