PT de PE formaliza saída do governo Eduardo Campos

O PT de Pernambuco formalizou nesta segunda-feira, 21, o desembarque do governo Eduardo Campos (PSB). Em audiência com o governador e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, comunicou a entrega dos cargos ocupados por petistas. A atitude não significa rompimento, nem o PT fará oposição sistemática ao governo de Pernambuco, assegurou o deputado federal Pedro Eugênio (PT), presidente estadual do partido, depois do encontro, que durou uma hora e 30 minutos.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

21 de outubro de 2013 | 18h29

"Nossa disposição é de mantermos diálogo com o PSB e o governo do Estado, no interesse do País e de Pernambuco", afirmou. De acordo com Eugênio, depois que o PSB entregou os cargos na gestão Dilma Rousseff e fez aliança com a ex-senadora Marina Silva (PSB-AC), passou a endereçar "críticas muito fortes ao PT". A saída visa ter "mais liberdade, sem constrangimentos, para fazer os debates programáticos do atual momento político".

Campos não deu declarações. O secretário estadual de Governo, Tadeu Alencar, que também participou do encontro, disse que o governo do Estado recebeu "com naturalidade" a decisão do PT. Alencar disse que o governo estadual não teme uma oposição mais vigorosa na Assembleia Legislativa, que tem um total de 49 deputados, depois que o PTB e, agora o PT, deixaram de ser aliados. Cada uma das legendas tem cinco deputados estaduais. Hoje, efetivamente, três deputados estaduais do PSDB fazem oposição à administração estadual. "Nunca nos jactamos de ter uma maioria e, em face dela, deixarmos de fazer os debates que interessam aos pernambucanos e às pernambucanas", observou o secretário estadual de Governo.

"Não temos hoje compromisso de defender o governo e o PSB", resumiu o líder do PT na Assembleia, Manoel Santos, que acompanhou Eugênio. "O governo e o PSB já têm muita gente para defendê-los, não precisa do PT." Ex-aliados, eles estarão em palanques antagônicos na eleição de 2014. A sigla ainda não definiu se terá candidatura própria ou se apoiará o senador Armando Monteiro Filho (PTB) para governador. Nem o PT nem o PSB souberam definir quantos cargos são ocupados por petistas. Não haverá prazo predeterminado para a transição.

Tudo o que sabemos sobre:
PTEduardo Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.