PT de Curitiba deve referendar coligação com PDT

Parte do diretório defensora da coligação será maioria em disputa que decidirá caminho da legenda nas eleições para prefeitura da capital do Estado

Evandro Fadel, de O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2012 | 14h43

CURITIBA - O Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Curitiba define nesta sexta-feira, 27, o caminho a ser seguido pela legenda nas eleições para a prefeitura da capital do Estado. A decisão foi delegada a 300 militantes escolhidos por duas chapas: uma que defende a candidatura própria e outra pretende a coligação com o PDT, tendo o ex-deputado Gustavo Fruet como candidato. Até mesmo defensores da primeira alternativa, entretanto, não acreditam que saiam vitoriosos.

A chapa que propõe coligação saiu na frente na disputa, após eleições realizadas no último dia 15. Por terem conseguido 57% dos votos de 1.921 filiados que compareceram às urnas, podem indicar 172 delegados para o encontro desta sexta-feira. Os que querem candidatura própria elegeram 128 delegados.

Entre os defensores da coligação estão os ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e o das Comunicações, Paulo Bernardo, além da presidente do diretório municipal, Roseli Isidoro.

Defensor da candidatura própria e pré-candidato do partido, o deputado federal Dr. Rosinha acredita que deve ser mantido praticamente o mesmo porcentual na votação. "Em minha opinião, infelizmente", destacou. Ele descarta, porém, que o PT saia desunido após o debate que, em alguns momentos, chegou a ser bastante árduo. "Demora um pouco para baixar a poeira, mas depois tudo se adapta." Além de Rosinha, o deputado estadual Tadeu Veneri se declarou pré-candidato.

Com a provável vitória da tese da coligação, o PT deve indicar o candidato a vice na chapa. O nome mais cotado é o do deputado federal Ângelo Vanhoni, que já disputou a prefeitura por três vezes. "Ele conseguiria unificar todas as correntes", acredita a presidente do diretório municipal, Roseli Isidoro. Ela observa, contudo, que, mais importante do que indicar o vice agora, é preparar as diretrizes de governo. "As questões programáticas precedem a indicação do vice."

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesPTCuritibaGustavo Fruet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.