PT de Belo Horizonte ameaça punir infidelidade eleitoral

A Executiva Municipal do PT de Belo Horizonte ameaça punir a infidelidade dos filiados que aderiram à campanha da candidata a prefeito Jô Moraes (PC do B), da Coligação BH É Você (PC do B-PRB). Insatisfeitos com o apoio informal do PSDB do governador Aécio Neves à aliança em torno da candidatura do ex-secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional Márcio Lacerda (PSB), da Coligação Aliança por BH (PSB-PT-PTB-PP-PR-PV-PMN-PSC-PSL-PTN-PTC-PRP), petistas alinharam-se à campanha de Jô.A Direção Municipal do PT ficou particularmente irritada com a manifestação de militantes do partido, que, no sábado, participaram de uma caminhada ao lado dela, na zona norte da capital mineira. Os petistas levaram bandeiras da legenda e distribuíram adesivos com os dizeres "PT é mais Jô" e "Eu oPTei pela Jô". Uma reunião da executiva municipal foi marcada amanhã. "O partido já decidiu, o partido tem disciplina", destacou hoje o presidente municipal da sigla, Aluísio Marques, que considerou o ato uma "provocação". Pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) encomendada pelo Grupo Estado e Rede Globo de Televisão, divulgada no sábado, mostrou que Jô largou na frente e lidera a disputa na capital com 17% da preferência do eleitorado, seguida pelo candidato Leonardo Quintão (PMDB), da Coligação Belo Horizonte para Você (PMDB-PHS), com 14%. Lacerda, apoiado pelo prefeito Fernando Pimentel (PT) e Aécio, aparece em terceiro, com 8%. O levantamento foi registrado na 26ª Zona Eleitoral da cidade, sob o número 46239/2008.O candidato a vice-prefeito da Coligação Aliança por BH, Roberto Carvalho (PT), minimizou o movimento dissidente petista, afirmando que a maioria dos contrários é de filiados de outros municípios de Minas. "Em BH, a base do partido está conosco", afirmou. Segundo Carvalho, a executiva municipal, porém, suspenderá, "automaticamente", a filiação dos petistas que insistirem em participar de outras candidaturas. Já o candidato a vereador pela aliança que declarar apoio a outro concorrente à prefeitura será excluído da publicidade eleitoral.Ameaçado O principal ameaçado de suspensão é o ex-deputado estadual e delegado do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no Estado, Rogério Correia, que, no sábado, posou para fotos ao lado da candidata da Coligação BH É Você a prefeito, segurando uma bandeira do PT. "O número de petistas que migra para a candidatura da Jô é muito grande. A estratégia deles é tentar estancar a sangria me usando como bode expiatório. Mas, na verdade, não sou só eu, fora os que fazem campanha `submarina'' para a Jô", reagiu Correia. "Estão tentando uma medida burocrática e autoritária."Boa parte da dissidência petista é formada por militantes da chamada esquerda do PT ou alinhada aos ministros do Desenvolvimento e Combate à Fome, Patrus Ananias, e da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci. Ananias e Dulci combateram a articulação entre o prefeito de Belo Horizonte e o governador de Minas Gerais. Publicamente, não alimentam o racha petista, mas devem se manter distantes da campanha de Lacerda.Os demais candidatos a prefeito da capital mineira são André Antonio Alves (PT do B), Gustavo Valadares (DEM), Jorge Periquito (PRTB), da Coligação Certeza de um Futuro Melhor (PRTB-PSDC), Pedro Paulo de Abreu Pinheiro (PCO), mais conhecido como Pepê, e Sergio Miranda (PDT), da Coligação BH Pode Mais (PDT-PCB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.