PT critica Barbiere e pede ação do Conselho de Ética

Em nota divulgada hoje, a bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo repudiou as declarações do deputado estadual Roque Barbiere (PTB) comparando a Casa a um camelódromo. Para os 24 parlamentares da sigla, ao dizer que "cada um vende (emendas) de um jeito", Barbiere generaliza a denúncia sobre um suposto esquema de venda de emendas. Os petistas pediram ao Conselho de Ética que convoque Barbiere, o secretário estadual de Meio Ambiente e deputado licenciado Bruno Covas (PSDB) e o deputado estadual Major Olímpio (PDT).

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

05 de outubro de 2011 | 18h17

"A bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo repudia veementemente as declarações do deputado Roque Barbiere (PTB), publicadas nos veículos de comunicação, em que equipara o Poder Legislativo a um camelódromo", inicia a nota.

Os petistas também criticaram a "falta de transparência na liberação das emendas" e disseram que desde 2006 pedem uma solução para o problema, mas que o governo estadual vem rejeitando a demanda. "Agora, diante dos fatos, a bancada reiterou a proposta em requerimento para que o Conselho de Ética solicite que a Casa Civil forneça relação com todas as emendas liberadas desde 2006, bem como seus solicitantes e cidades beneficiadas", diz a nota.

Os deputados insistem na abertura de uma "CPI da Venda das Emendas". "(A CPI) se faz urgente para elucidar todas as denúncias apresentadas pelo deputado Roque Barbiere e que pode também convocar secretários estaduais, prefeitos e representantes de construtoras", reforça a nota. No caso do secretário Bruno Covas, sua convocação serviria para esclarecer as afirmações de que um prefeito teria lhe oferecido dinheiro por uma emenda. Já Major Olímpio deporia sobre o fato de ter ouvido de um presidente de uma entidade o relato de venda de emendas.

A bancada de oposição já recolheu 28 assinaturas para instalar a comissão, mas precisa da adesão de 32 deputados para levar o pedido adiante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.