Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

PT cobra explicação de ministro da Justiça sobre ação da PF na Lava Jato

Direção do partido faz convite formal para o petista José Eduardo Cardozo esclarecer prisões de empreiteiros próximos a Lula

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2015 | 05h00

Na quinta-feira a Executiva Nacional do PT se reuniu em São Paulo para, entre outras coisas, avaliar os estragos causados ao partido pelas Operações Lava Jato e Acrônimo. Na reunião, o PT tomou duas decisões importantes. A primeira, tornada pública, foi aprovar uma resolução política na qual sai em defesa das empreiteiras suspeitas de desviar recursos da Petrobrás. A segunda, até agora mantida em sigilo, foi convidar o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a dar explicações ao partido sobre as últimas ações da Polícia Federal, subordinada a ele.

O presidente do PT, Rui Falcão, disse que o objetivo é simplesmente ouvir o ministro. No entanto, conforme integrantes da cúpula petista, a ideia é enquadrar Cardozo. Militante do PT há mais de 30 anos, homem de confiança da presidente Dilma Rousseff, o ministro é responsabilizado por setores do partido pela manutenção da prisão temporária do ex-tesoureiro João Vaccari Neto, detido desde 15 de abril, e pelas buscas no escritório político do governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), e na agência Pepper, que presta serviços à sigla.

Em conversas reservadas, lideranças petistas usam termos como “inoperante”, “omisso”, “sem pulso firme nem liderança” e “egoísta” para se referir ao ministro. Desde sexta-feira, com a divulgação da delação premiada de Ricardo Pessoa, da empreiteira UTC, que relatou ter feito repasses às campanhas de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a insatisfação em relação ao ministro aumentou consideravelmente.

Numa reunião de representantes dos setoriais petistas realizada no meio da semana, também em São Paulo, uma dirigente ligada a um parlamentar sugeriu abertamente que o PT peça a demissão do ministro. 

Na resolução política aprovada quinta-feira pela executiva nacional, a cúpula petista aumentou a intensidade dos ataques aos responsáveis pelas investigações contra o partido. Em cinco dos 16 itens do documento, o PT faz críticas à operação. No item número 6, o partido se diz preocupado com os efeitos econômicos do “prejulgamento” das empreiteiras, apesar de pessoas ligadas a pelo menos cinco delas terem confessado à Lava Jato participação no esquema de desvio de recursos da Petrobrás.

A ideia de convidar Cardozo a dar explicações ao partido surgiu durante o debate sobre a manutenção da prisão de Vaccari, vista pelo PT como uma arbitrariedade cometida pela força-tarefa da Lava Jato.

Uma das cobranças que será feita ao ministro é o fato de a PF ter aberto uma investigação sobre um carregamento de dinheiro feito por um empresário próximo a Pimentel, mas não apurar casos semelhantes envolvendo tucanos, a exemplo de um apoiador do deputado Bruno Covas (PSDB-SP) pego com R$ 100 mil em dinheiro às vésperas da eleição de 2014. Para o PT, a PF não tem isonomia.

Lula. Embora não tenha relação direta com o convite ao ministro da Justiça, Lula também tem intensificado as críticas a Cardozo. O ex-presidente é um desafeto histórico do ministro, com quem acumula atritos desde meados da década de 1990, e nunca engoliu a escolha e manutenção de Cardozo no ministério. Nos últimos dias, no entanto, Lula fez chegar ao titular da Justiça e a Dilma sinais mais claros de descontentamento. 

Cardozo se defende dizendo que não tem autonomia nem poder para impedir ações da PF. Aos emissários de Lula, lembrou que foi no governo do ex-presidente, quando o ministro da Justiça era Tarso Genro, que o setor de inteligência da PF foi descentralizado com a criação de centrais em cada superintendência estadual. 

Na terça-feira, Cardozo avalizou as críticas feitas por Lula ao PT na véspera, quando o ex-presidente disse que o partido “está velho” e “só pensa em cargos”. “Mais uma vez o presidente Lula toma uma posição de vanguarda e coloca o tema em debate”, disse o ministro. 

Além de Cardozo, o PT decidiu convidar o ministro Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência) para explicar a relação do governo com os movimentos sociais. Ambos pertencem à aliança Mensagem/Democracia Socialista (DS), a segunda força interna do PT.

Tudo o que sabemos sobre:
PTRui FalcãoJosé Eduardo Cardozo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.