Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

PT classifica como 'fascista' protesto de jovens tucanos contra Haddad, PSDB reage

Para coordeador da campanha de Haddad, manifestação foi manobra da oposição; Walter Feldman (PSDB) afirmou que o episódio não tem nada a ver com a campanha de José Serra

Daiene Cardoso e Guilherme Waltenberg, da Agência Estado

19 de julho de 2012 | 20h08

O coordenador da campanha de Fernando Haddad (PT) à Prefeitura de São Paulo, vereador Antonio Donato, classificou nesta quinta-feira, 19, de "fascista" o protesto realizado por jovens ligados ao PSDB contra o petista, na quarta-feira na capital. Em nota divulgada nesta tarde, Donato afirmou que a campanha não se intimidará com provocações externas e que o episódio deve servir de alerta para mostrar que o adversário está disposto "a usar de qualquer expediente para favorecer seu candidato".

Ao saber da reação de Donato, um dos coordenadores da campanha de José Serra (PSDB) à prefeitura, deputado Walter Feldman, disse que se os jovens cometeram esse erro, o coordenador da campanha petista (Donato) comete um erro ainda maior, ao classificá-los de fascistas. Apesar da crítica a Donato, Feldman destacou que "a campanha tucana não se identifica com militantes que fazem esse tipo de pressão nas ruas".

Para Feldman, Donato deveria "estudar um pouco melhor o fascismo". "É um desrespeito à história o que esses movimentos (nazismo e fascismo) fizeram na Europa. É um desrespeito fazer essa comparação. A juventude tem seus arroubos, que têm de ser entendidos", disse o tucano. Feldman reiterou que o protesto não foi planejado pela campanha do PSDB.

Na quarta-feira, quando caminhava pelas ruas do Brás, na região central da cidade, Haddad foi abordado por quatro manifestantes que protestavam contra a greve nas universidades federais. "Usando de um expediente tipicamente fascista, quatro jovens tucanos passaram-se por estudantes para protestar contra a greve nas universidades federais, como se estivessem mesmo preocupados com esta paralisação", acusou Donato. De acordo com a edição de quinta-feira, 19, do jornal Folha de S.Paulo, dois dos manifestantes eram Marcos Saraiva (que se identifica nas redes sociais como conselheiro político da juventude estadual do PSDB) e Victor Ferreira (secretário da juventude do PSDB).

O presidente municipal da juventude tucana, Breno Saviero, confirmou que Marcos Saraiva e Victor Ferreira são filiados ao partido, mas garantiu que eles não agiram em nome da legenda. "Não teve nada a ver com a juventude municipal ou estadual (do PSDB). Não concordamos com o que aconteceu, queremos uma campanha propositiva. (O protesto) não teve o aval da juventude", alegou. Ele também desaprovou a atitude dos jovens, reiterando que eles não agiram em nome do PSDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.