Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PT busca palanques com ‘dissidentes’ peemedebistas

Primeiro da lista é o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que não se cansa de atacar o governo de Michel Temer e já admitiu afinidade com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2017 | 05h00

BRASÍLIA -  A cúpula do PT tentará fechar aliança com os “dissidentes” do PMDB, montando palanques estaduais com rebeldes para a eleição presidencial de 2018. O primeiro da lista é o líder do partido no Senado, Renan Calheiros (AL), que não se cansa de atacar o governo de Michel Temer e já admitiu afinidade com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Até agora, os petistas não têm qualquer plano B para o caso de Lula não poder disputar o Palácio do Planalto. Réu na Lava Jato, o ex-presidente corre esse risco se for condenado em segunda instância e virar “ficha-suja”.

“Seria escandaloso tentar impedir uma candidatura do campo popular sem prova concreta”, reagiu o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), um dos petistas mais combativos no Congresso Nacional. “A eleição de 2018 seria uma farsa. Se isso ocorrer, podem se preparar porque vamos endurecer.”

O apoio a uma possível candidatura de Ciro Gomes (PDT) também não anima o PT. “Ciro tem pés de barro. Ele não aguenta a campanha”, disse um dirigente do partido, numa reunião, ao lembrar do temperamento explosivo do ex-ministro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.