PT ataca PSDB e abre espaço para alianças com outros partidos em 2012

Diretório Nacional da sigla aprova documento em que chama adversário de 'nau sem rumo', em referência à indefinição tucana para escolher candidato em SP

Bruno Boghossian, do estadão.com.br

13 de dezembro de 2011 | 14h59

O Diretório Nacional do PT aprovou uma resolução política que ataca seu principal adversário, o PSDB, ao chamar o partido de "nau sem rumo". A classificação é uma referência direta à indefinição dos tucanos na escolha de um candidato para as eleições municipais de 2012 em São Paulo. A crítica ao PSDB foi debatida em uma reunião realizada em Belo Horizonte há 10 dias. Na reunião desta terça-feira, 13, a cúpula do partido decidiu manter o trecho.

 

O texto petista cita uma frase do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que disse ser "mais fácil falar do futuro do Euro do que o do PSDB", em alusão à disputa interna pela candidatura à Prefeitura da capital paulista.

 

"(FHC) descreveu a nau sem rumo em que se converteu o principal partido da oposição conservadora do País. Se o Brasil ainda estivesse sob o jugo dos tucanos estaria arremetido no turbilhão da crise internacional, com milhões de desempregados e se veria face a novas privatizações e ameaças à soberania nacional", avalia a cúpula do PT.

 

Em uma versão anterior, discutida em Belo Horizonte, FHC era chamado de "guru-mor", mas a expressão foi retirada da redação aprovada nesta terça-feira, 13, na sede do partido em São Paulo.

 

Apesar do ataque, a direção petista afirma que não deve "subestimar a oposição", que "dirige governos importantes e, mesmo sendo minoritária na sociedade, possui bases eleitorais significativas".

 

"Sua ação, no entanto, hoje se desenrola no plano das denúncias sem coragem de assumir suas concepções econômicas e sociais que são da mesma natureza daquelas geradoras da crise internacional", critica o partido.

 

A resolução política do PT indica que o partido pretende usar as eleições de 2012 para "sustentar e ampliar" o apoio a seu projeto nacional. A afirmação seria um contraponto à estratégia eleitoral de 2010, quando candidaturas próprias petistas foram prejudicadas em nome da aliança nacional pela eleição da presidente Dilma Rousseff.

 

A direção reconhece, no entanto, a necessidade de alianças. "As eleições serão também um momento de unidade programática com nossos aliados, compreendendo a necessidade de alianças que devem levar em conta a legítima aspiração de cada partido ao seu crescimento e a posição relativa de força de cada um na sociedade", afirma.

 

A disputa do ano que vem será "um momento de fortalecimento" do partido. O texto volta a destacar a necessidade de "unidade" da sigla, a exemplo dos acordos que evitaram a realização de prévias para a escolha de candidatos - como foi o caso de São Paulo.

 

"Neste aspecto, por sinal, a definição de candidaturas em São Paulo e Porto Alegre atestam a disposição da militância de entender a unidade como um instrumento para chegar à vitória nas urnas", diz a resolução.

 

O texto também descreve as consequências da crise financeira mundial, responsabiliza o neoliberalismo e defende o controle da economia pelos governos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
PTPSDB2012eleições municipais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.