PT apóia Quércia em 2010 se ele fechar com Marta já

Além de oferecer ao PMDB vaga de vice na chapa, grupo da ministra admite avalizar ex-governador para o Senado; idéia irrita aliados de Mercadante

Vera Rosa e Felipe Werneck, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2008 | 00h00

A cúpula do PT ofereceu um "pacote eleitoral" ao PMDB, com o objetivo de atrair o apoio do partido à candidatura de Marta Suplicy, que deixará o Ministério do Turismo para disputar a Prefeitura de São Paulo. Além de abrir para o PMDB a vaga de vice na chapa de Marta, o grupo da ministra admite avalizar Orestes Quércia para o Senado, em 2010. A proposta apresentada a Quércia, que é presidente do PMDB paulista, provocou reações iradas da ala ligada ao senador Aloizio Mercadante (PT-SP), candidato natural à reeleição."Estamos mesmo dispostos a dar a vice ao PMDB e também sou a favor de apoiar Quércia para o Senado, em 2010", afirmou o presidente do PT paulistano, vereador José Américo Dias. Para rechear o pacote oferecido ao principal parceiro da coalizão no governo Lula, os petistas negociam, ainda, a retirada de candidatos sem expressão eleitoral, em vários municípios, em favor de concorrentes do PMDB."Não podemos querer que o PMDB nos apóie em tantos lugares sem contrapartida", argumentou José Américo. Questionado sobre os protestos do grupo de Mercadante, ele desconversou: "Eu não tenho conhecimento dessa resistência."Na prática, o PT negocia com Quércia a segunda vaga ao Senado, já que a primeira será reservada a Mercadante. Em geral, porém, o segundo nome da dobradinha é sempre um político menos conhecido, que não oferece risco ao candidato sobre o qual o partido aposta todas as fichas. Não é o caso de Quércia, que detém a máquina do PMDB em São Paulo.Embora o ex-governador diga que está "escaldado" e não esconda a desconfiança em relação ao PT, os petistas acreditam no acordo. No atual cenário, o mais cotado para vice na chapa de Marta é o deputado Michel Temer (SP), presidente do PMDB. Em 2004, Marta disputou e perdeu a reeleição como prefeita em chapa puro sangue, composta só pelo PT, que não quis ceder a vice. Agora, porém, o discurso é diferente. "Para nós, a aliança com o PMDB interessa em todo o País", insistiu o deputado Ricardo Berzoini (SP), presidente do PT. Em várias conversas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse aos petistas que não adianta o partido disputar apenas para marcar posição. Mais: avisou que não subirá em nenhum palanque nas cidades onde a base aliada estiver dividida em duas ou mais candidaturas.Mesmo com sua campanha sendo montada, a ministra do Turismo ainda tenta despistar sobre a entrada no páreo. "Amo a minha cidade e sei que posso dar grande contribuição, mas é uma decisão extremamente difícil. Estou muito dividida", afirmou Marta ontem, no Rio.BELO HORIZONTEO casamento com o PMDB em São Paulo e a possibilidade de aliança com os tucanos, em Belo Horizonte (MG), também foram discutidos ontem, em Brasília, na reunião do Grupo de Trabalho Eleitoral do PT. Ao que tudo indica, o Diretório Nacional da legenda deverá aprovar, na segunda-feira, a parceria com o PSDB na capital mineira, sob o argumento de que a aliança formal é com o PSB.Articulado pelo prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), e pelo governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), o acordo tem como alvo as eleições de 2010. De um lado, Pimentel quer obter apoio dos tucanos para concorrer ao governo de Minas. De outro, Aécio trabalha para conquistar adesões dentro e fora do PSDB na disputa com o governador de São Paulo, José Serra, que, como ele, cobiça a cadeira de Lula."Pimentel tomou uma decisão ousada, arriscada, que tem causado muita polêmica no PT", admitiu Berzoini. "Mas vamos resolver isso." Além de São Paulo, a cúpula do PT dá como certa, até agora, a candidatura própria às prefeituras do Rio, Porto Alegre, Fortaleza, Recife, Curitiba, Campo Grande e Cuiabá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.