PT adia para a noite reunião para discutir destino de Sarney

Líder Aloizio Mercadante faz questão da presença de seus 12 liderados e, por isto, decidiu aguardar todos

Denise Madueño, Eugênia Lopes e Christiane Samarco, de O Estado de S.Paulo,

30 de junho de 2009 | 14h02

O PT adiou para o início da noite desta terça-feira, 30, a reunião da bancada para examinar a crise do Senado e a permanência de José Sarney no comando do Congresso. O líder Aloizio Mercadante (SP) faz questão da presença de seus 12 liderados e, por isto, decidiu aguardar a chegada de todos em Brasília.

 

Veja também:

som Ouça o discurso de Simon pedindo afastamento de Sarney

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado

linkPSOL protocola representação contra Sarney e Renan

linkNo Twitter, Agripino se antecipa e recomenda licença

 

O senador Eduardo Suplicy (SP) já antecipou que defenderá o afastamento temporário de Sarney, enquanto durarem as investigações. Os petistas votaram contra o PMDB na sucessão da Casa, mas estão pressionados pelo Planalto, diante do apoio público do presidente Lula a Sarney. Um importante dirigente do partido acredita que a saída, hoje, será o adiamento de uma decisão, com o argumento de que "a bola agora está com o Conselho de Ética, e não com os partidos".

 

Refere-se à representação contra Sarney, apresentada mais cedo pelo PSOL. A tendência dos petistas é de invocar o "fato novo" da representação que, fatalmente, levará o debate ao plenário do Conselho, a quem caberá decidir pelo afastamento, ou não, de Sarney.

 

Contra a crise, o PMDB e Sarney contam com o calendário a favor para esfriar os ânimos e torcem para que nenhuma nova denúncia apareça até a entrada do recesso branco a partir de 18 de julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.