PT adia palanque de Lula com Haddad em SP

O PT só deve contar a partir de 2 de junho com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no palanque de seu pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, o ex-ministro Fernando Haddad. A equipe de campanha do partido pretendia organizar um evento com Lula e Haddad ainda este mês, mas adiou o plano. Os petistas avaliam que Lula ainda não se recuperou totalmente do tratamento contra o câncer.

BRUNO BOGHOSSIAN, Agência Estado

08 de maio de 2012 | 08h40

Lula ainda faz fisioterapia para curar uma inflamação no tornozelo e recuperar massa muscular, além de fonoaudiologia. Médicos recomendam que o ex-presidente modere sua participação em eventos. Os petistas esperam que Lula esteja em bom estado físico até o início de junho, quando ocorrerá o encontro municipal de delegados do PT paulistano. O partido quer aproveitar o evento para lançar extraoficialmente a candidatura de Haddad, ao lado de grandes lideranças.

Desde abril, os petistas tentavam unir Lula e Haddad em uma grande plenária do PT na quadra do Sindicato dos Bancários, no centro da capital. Não conseguiram por causa do estado de saúde do ex-presidente e adiaram o evento para junho. "Agora o dia 2 (de junho) está próximo. Não faria sentido organizar um evento em meados de maio e outro 15 dias depois", disse o vereador Chico Macena, um dos responsáveis pela comunicação da campanha. Caso o ato seja confirmado, será a primeira vez que Haddad e Lula participarão juntos de um evento público na cidade de São Paulo neste ano eleitoral.

Em janeiro, os dois estiveram na posse de Aloizio Mercadante no Ministério da Educação, em Brasília. Em 14 de abril, participaram de evento em São Bernardo do Campo (SP). Na sexta-feira, Haddad assistiu à cerimônia em que Lula recebeu cinco títulos de doutor, no Rio.

Os coordenadores de campanha esperam contar com a presença da senadora Marta Suplicy e de ministros como Mercadante e Alexandre Padilha (Saúde).

Não há previsão de que a presidente Dilma Rousseff participe. Em fevereiro, ela avisou que não participaria de campanhas em cidades onde há mais de um candidato da base governista. Em São Paulo, Haddad pode enfrentar nomes do PMDB, do PRB, do PCdoB e do PDT.

Além dos mil delegados da legenda, o partido pretende convocar 3 mil militantes de todas as regiões da cidade. Presidente municipal do PT e coordenador da campanha, o vereador Antonio Donato afirmou que Haddad deve aproveitar o ato para apresentar os partidos que integrarão a coligação. A convenção do PT, que homologará a candidatura de Haddad, deve ser em 30 de junho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPHaddadLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.