PT acionará PSDB por divulgar pesquisa

O PT informou nesta quinta-feira que entrará com uma representação no Ministério Público Eleitoral contra o PSDB, sob o argumento de que o partido rival infringiu a lei ao fornecer à imprensa dados de uma pesquisa não registrada na Justiça Eleitoral. A representação se refere a um levantamento telefônico publicado na edição desta quinta-feira do Estado, em que o prefeito de São Paulo, José Serra, aparece como favorito em uma eventual disputa pelo governo de São Paulo. O tucano, segundo a pesquisa, derrotaria a ex-prefeita Marta Suplicy por 72% a 17%.O presidente do Diretório Estadual do PT em São Paulo, Paulo Fiorilo, reconheceu que a imprensa teve acesso ao levantamento de forma informal, mas insistiu que o PSDB é responsável por dados que tenham sido encomendados por seus integrantes. "Estamos pedindo que o Ministério Público tome as providências cabíveis", disse o dirigente, ressaltando que o próprio MP é quem deve avaliar a responsabilidade do PSDB na veiculação dessas informações.FiscalizaçãoFiorilo defendeu que o fato de a pesquisa ter sido publicada já representa uma infração às normas eleitorais. "Há um desrespeito claro à legislação", disse o dirigente. "Não podemos deixar que haja esse tipo de manipulação", acrescentou. Ele informou ainda que a legenda não tem a intenção de tomar medidas judiciais contra veículos de comunicação que publicaram ou venham a publicar a notícia.Ele acrescentou que o PT continuará acionando o PSDB toda vez que o partido rival fizer uso de ações que possam ser interpretadas como uma infração às normas eleitorais. "Estamos recorrendo à Justiça em todos os casos que entendemos como desrespeito às normas", disse o dirigente, reconhecendo, no entanto, que o próprio PT também tem sido alvo de ações semelhantes, conduzidas inclusive pelo PSDB. "Mas temos que fiscalizar", acrescentou.Serra bate MartaA pesquisa telefônica informal foi feita a pedido de aliados de Serra para checar a receptividade de uma eventual candidatura dele ao governo do Estado. Ele teve 72% das preferências, enquanto a pré-candidata Marta Suplicy alcançou apenas 17%. A pesquisa telefônica não reflete com precisão o universo do eleitorado, já que não reproduz com exatidão os segmentos da população nem alcança as faixas mais pobres.A pesquisa também consultou eleitores paulistas sobre um possível cenário presidencial em que Serra enfrentaria o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O resultado apontou 44% para Serra e 42% para Lula no Estado, valendo as mesmas ressalvas técnicas sobre a representação imprecisa do eleitorado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.