PSTU faz protesto durante visita de Lula a Guarulhos

Uma faixa trazida por integrantes do PSTU na visita do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a Guarulhos atrapalhou o clima de festa montado por petistas para saudar Lula. A faixa com a frase "Até o caseiro sabia. Só o Lula não sabia?" foi exibida no momento em que o presidente iniciava seu discurso, no evento de vistoria das obras da Universidade Federal de São Paulo.A faixa foi imediatamente retirada por seguranças do evento e houve um princípio de tumulto entre petistas e integrantes do PSTU, que deixaram o local reclamando da "falta de clima para continuar a manifestação". O protesto serviu, porém, para instigar o presidente Lula a fazer um discurso em prol dos pobres. Foi a primeira vez que Lula voltou ao tema, desde que, em suas próprias palavras, "um simples caseiro", Francenildo Santos Costa, desmentiu o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci a respeito de suas ligações com a república de Ribeirão Preto.Aposta na educaçãoNo discurso de 19 minutos, Lula disse: "Algumas pessoas que governaram o País já tinham seu diploma e se esqueceram que o filho do pobre tem direito a universidade". E continuou: "essas pessoas (ex-governantes) não perceberam que os pobres são feitos de carne e osso, têm desejos e sonhos, e são até mais inteligentes do que eles, só precisam de oportunidade para provar".Depois da defesa que fez dos pobres, Lula disse que seu governo está apostando na educação. E sem citar o nome de seu maior adversário nessas eleições presidenciais, o governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, Geraldo Alckmin, cutucou: "Nós apostamos na educação, e não na recuperação dos jovens. Cada centavo que a gente evita gastar em escola vai se transformar em milhares de reais que teremos de gastar quando tivermos de cuidar dos bandidos. Se não gastar em educação, gastaremos com cadeias". Uma das bandeiras de Alckmin é justamente o investimento em segurança.Lula disse que discursava com o sentimento de um homem que não havia conseguido cursar a universidade, mas que formou cinco filhos. "Este sentimento que tenho como pai também tenho para cada menino e menina deste País. Acabou o Brasil do tempo em que não se podia gastar em educação, estamos formando meninos e meninas, dando cidadania, dignidade e emprego", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.