PSOL usa mensalão para atacar PT e PSDB em debate

O candidato do PSOL à prefeitura de Porto Alegre, Roberto Robaina, usou o caso do mensalão para atacar o PT e o PSDB durante debate na TV Com, do Grupo RBS, nesta quinta-feira à noite. "O PSDB mineiro começou o mensalão, depois o PT seguiu e pegou o mesmo personagem, o Marcos Valério", afirmou. "Além disso, o PT seguiu o mesmo programa macroeconômico do PSDB", prosseguiu.

ELDER OGLIARI, Agência Estado

21 de setembro de 2012 | 00h29

Em seguida, perguntou ao concorrente tucano Wambert Di Lorenzo se a indignação que ele mostra contra o PT seria pelo plágio que o partido teria feito do PSDB tanto na questão da corrupção quanto da política econômica. Di Lorenzo não respondeu diretamente, mas acusou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ter conhecimento do mensalão. "A revista Veja deixa claro que ele sabia", argumentou, para em seguida defender um regime parlamentarista.

No restante dos dois primeiros blocos do debate, os candidatos discutiram temas locais e escolheram o prefeito José Fortunati (PDT), candidato à reeleição e líder isolado nas pesquisas mais recentes, como alvo. Manuela D''Ávila (PC do B) disse que a Carris, estatal de transporte público da capital gaúcha, não é sustentável e prometeu tirar a empresa do risco de privatização. Adão Villaverde (PT) usou uma pergunta para Jocelin Azambuja (PSL) para destacar que a gestão atual só teria cumprido 24% do investimento de R$ 817 milhões previsto para este ano para o orçamento participativo. "Estou sofrendo ataques transversais", reclamou Fortunati, sugerindo aos telespectadores que visitem seu site para ter todas as respostas que não conseguiria dar ao longo do debate por ter que responder a outras perguntas.

O prefeito explicou que a gestão atual resgatou 428 demandas do orçamento participativo que estavam atrasadas e investiu em 225 demandas novas, com investimentos de R$ 333 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2012Porto Alegredebate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.